Peaky Blinders: o que podemos aprender sobre investimentos com a série da Netflix?

Yolanda Fordelone
Colaborador do Torcedores
1

Foto: Peaky Blinders

Muito mais que diversão, o entretenimento nas telinhas pode ir além e nos trazer ensinamentos. Esse é o caso de Peaky Blinders, série disponível na Netflix em cinco temporadas, com seis episódios cada. Mas antes de falar sobre o aprendizado, cabe voltar um episódio e explicar a trama da série.

A história gira em torno de Thomas Shelby (Cillian Murphy) e seus irmãos, um grupo de gangster que dominam a pequena cidade de Birmingham, no Reino Unido. Depois de servir no exército britânico durante a Primeira Guerra Mundial, período no qual os negócios estiveram sob comando da tia (Polly), Thomas retorna e põe em prática uma série de planos para expandir seus negócios.

De corridas de cavalo a roubos de carga, os Peaky Blinders vão construindo um império no Reino Unido, enquanto vivenciam intensas transformações sociais do começo do século XX: o fortalecimento do comunismo, a ascensão de movimentos feministas, a expansão do modelo e fonte de energia da Revolução Industrial, entre outras.

Curiosamente, os Peaky Blinders de fato existiram no começo do século. Apesar de a história verdadeira ser diferente da contada no enredo, de semelhança é possível destacar que os Peaky Blinders foram uma gangue notória do período e que usavam a força para exercer sua dominância.

Agora que você já conhece um pouco sobre a série, vamos aos aprendizados para o mundo das finanças:

Foco e estratégia

De uma pequena dominação local, os Peaky Blinders vão expandindo seu território de controle por meio de estratégias executadas à risco. Extremamente calculista, Thomas traça planos, prevê o que pode dar errado e segue o combinado.

Cada temporada parece trazer um novo plano, o qual só tomamos conhecimento por completo ao fim, no último episódio, quando de fato é executado.

Nos investimentos não é diferente. Especialistas falam de o investidor ter uma tese de investimentos e segui-la à risco. Por exemplo, investir e boas pagadoras de dividendos.

Faça chuva ou faça sol, o investidor deveria levar em frente o plano que tem para o dinheiro, nas empresas nas quais pensou incialmente

Fonte de informações dos Peaky Blinders

Os Peaky Blinders dominam a cidade e, aos poucos, o país. Com isso, possuem inúmeros aliados que servem como fonte de informações confiáveis. Eles sempre estão informados sobre o mercado em que atuam de maneira até a anteceder o movimento de adversários, no caso, outras gangues. Nos investimentos, a pessoa também deve ter fonte de informações confiáveis para guias suas decisões.

Não se deixam abalar se algo dá errado

Apesar de terem tudo bem planejado, eventualmente algo ocorre fora do previsto. Neste caso, há duas lições que aprendemos com a gangue: não se desesperar tomando atitudes precipitadas e agir rapidamente diante dos imprevistos.

Nos investimentos, as decisões precisam ser tomadas de maneira mais racional possível, mesmo que a estratégia tenha dado errado e a pessoa esteja perdendo dinheiro. Da mesma maneira, agir rapidamente é algo positivo em muitas situações, como no caso de uma empresa cujas ações estão desabando diante de uma notícia rui que afetará os negócios por um bom tempo.

Dosagem de risco

Os Peaky Blinders poderiam se deter em manter o território já conquistado e não buscar novas áreas. Mas, eles sabem que a maré pode virar. Por isso aceitam tomar uma dosagem extra de risco, se envolvendo em negócios com os russos, por exemplo, para aumentar os ganhos.

O risco não é para todo investidor, mas o considere se quiser ter maiores chances de ganhos significativos.

Imaginar o movimento do mercado

Os irmãos têm uma habilidade imensa de obter informações e anteceder os movimentos dos mercados onde atuam. Nos investimentos, também é importante entender os impactos das notícias nas aplicações: afinal, se o juro Selic cair isso é bom ou ruim para a Bolsa?

Compreendendo os cenários, fica mais fácil se preparar para eles.