Payroll: EUA abrem 559 mil postos de trabalho em maio, abaixo da projeção

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

A folha de pagamentos oficial dos Estados Unidos, payroll, apontou a criação de 559 mil empregos em maio, segundo informação divulgada nesta sexta-feira (4) pelo Bureau of Labor Statistics, do Departamento de Trabalho americano.

A projeção do mercado era maior: 650 mil novas vagas.

A taxa de desemprego recuou para 5,8%, ante leitura prévia de 6,1%.

Aprenda hoje a investir em Small Caps e encontre as oportunidades escondidas na Bolsa.

payroll

Reprodução/Departamento de Trabalho

Os dados de emprego vêm sendo acompanhados de perto pelos investidores, já que são considerados pontos-chave para a política do Federal Reserve (Fed).

Uma leitura abaixo da projeção, como a apresentada em abril e maio, pode sinalizar que o banco central americano não irá mexer nos estímulos tão cedo. Da mesma forma, leituras acima aumentam as apostas em retirada de estímulos em breve. O Fed vem apontando que deve iniciar a retirada pela redução do ritmo das compras de títulos do tesouro. Um aumento na taxa de juros, afirma a instituição, deve ocorrer apenas em 2023.

Na divulgação de abril, o payroll foi frustrante para o mercado, que aguardava ansiosamente por 1 milhão de novos postos de trabalho, mas o anúncio apontou apenas 266 mil vagas. Este número foi corrigido na nova divulgação e ficou em 278 mil vagas.

Prévia do payroll e seguro-desemprego

Ontem (3), a pesquisa ADP, considerada uma prévia do payroll, apontou a criação de 978 mil empregos nos EUA em maio. O resultado veio acima da expectativa do mercado, que era por 680 mil vagas. A ADP difere do payroll por não considerar os cargos públicos.

Os novos pedidos por seguro-desemprego também vieram positivos: ficaram em 385 mil, com redução de 20 mil em relação a semana anterior. Este resultado é o nível mais baixo para solicitações iniciais desde março do ano passado, quando era 256 mil.