Payroll: emprego nos EUA em março supera expectativa com maior nível desde agosto

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O crescimento de empregos nos EUA disparou em março no ritmo mais rápido desde agosto de 2020, conforme informou o Departamento do Trabalho americano, nesta sexta-feira (02).

O país criou 916 mil empregos no mês, enquanto a taxa de desemprego caiu para 6%.

O resultado ficou acima da expectativa do mercado, que projetava a abertura de 675 mil postos de trabalho. Já o nível de desemprego ficou em linha com o consenso de mercado.

A capital mundial dos investimentos vai invadir sua a casa! Click no link e faça sua inscrição gratuita para o evento

Segundo relatório, o crescimento econômico mais forte e um esforço agressivo de vacinação contribuíram para um aumento nos empregos de hotelaria e construção.

Setores

O setor de Lazer e hotelaria, segmento crítico para restaurar sua força de trabalho anterior, apresentou os maiores ganhos no mês, com 280 mil novos empregos.

Enquanto isso, bares e restaurantes adicionaram 176 mil, enquanto artes, entretenimento e recreação contribuíram com 64 mil para o total.

Mesmo com os ganhos contínuos, o setor permanece 3,1 milhões abaixo do total antes da pandemia em fevereiro do ano passado.

Com os alunos voltando a frequentar as escolas, as contratações em educação também dispararam durante março. Instituições de ensino combinaram para contratar mais 190 mil funcionários para o mês.

O setor de construção também teve um ganho de 110 mil novos empregos, enquanto os serviços profissionais e comerciais adicionaram 66 mil e a manufatura aumentou em 53 mil.

Sinais de crescimento nos EUA

De acordo com a CNBC, estados e municípios em todo território americano continuam a reabrir após um ano operando com capacidade reduzida.

Apesar das restrições, o nível de negócios voltou próximo ao normal em grande parte da empresas, segundo o rastreador de Jeffries indicando que a atividade está em 93,5% do seu nível pré-pandêmico.

Já Dados da Homebase mostram que os funcionários trabalhando e as horas trabalhadas aumentaram drasticamente em março, com melhorias significativas em hospitalidade e entretenimento. Esses foram os setores mais afetados, mas melhoraram nos últimos dois meses, à medida que os governos afrouxaram algumas das restrições mais severas à atividade.

Além disso, a manufatura está passando por um boom, com um indicador de atividade no setor do Institute for Supply Management atingindo seu nível mais alto desde o final de 1983 em março.

Por fim, o ritmo dos ganhos combinado com o nível sem precedentes de estímulo do governo gerou preocupações sobre a inflação, embora funcionários do Federal Reserve digam que quaisquer aumentos serão temporários.