Ministro pode fazer alterações na equipe econômica do País

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Agência Brasil

A equipe econômica do país, comandada pelo ministro Paulo Guedes, pode sofrer alterações entre o término de 2019 e o início de 2020.

Segundo informações do jornal O Globo, quatro nomes que compõem o time podem sair ou mudar de função: o secretário de Desestatização, Salim Mattar, o secretário de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Marcos Troyjo, Mansueto Almeida, secretário do Tesouro, e o secretário de Produtividade, Competitividade e Emprego, Carlos da Costa.

Rumores

Carlos da Costa está sendo cogitado para deixar seu cargo atual e se transferir para o BID (Banco Interamericano). Ao site Poder 360, no entanto, negou que pretenda deixar a Secretaria de Produtividade, Competitividade e Emprego nesse momento.

“É o reconhecimento pelos resultados que estamos entregando pela produtividade e emprego no Brasil. No entanto, não houve nenhuma conversa sobre isso, e não há nenhum plano meu ou do governo neste sentido”, desconversou.

Marcos Troyjo, por sua vez, é cotado para assumir o banco do Brics – grupo que reúne Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul -, enquanto Mattar deixaria a secretaria de Comércio Exterior para ser substituído diante de uma avaliação sobre a condução dos processos de privatizações.

A saída de Mansueto do posto de secretário do Tesouro, por outro lado, se daria por motivos particulares. Segundo o jornal Valor Econômico, há a hipótese de ele se tornar secretário-executivo do Conselho Fiscal da República, que seria criado com a a aprovação da PEC do pacto federativo.