Paulo Guedes diz que PIB brasileiro deve crescer “no mínimo 2%” em 2020

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Washington Costa/ME

O ministro Paulo Guedes está bastante otimista com relação ao futuro da economia brasileira para o ano que vem. E não está sozinho.

Segundo o chefe da pasta do governo Bolsonaro, a previsão é de que o PIB (Produto Interno Bruto) de 2020 seja, no mínimo, 2% superior ao deste ano.

“Se em 2019 for 1,2%, então (teremos) 2 4% (no ano que vem)”, cravou o ministro da Economia, em reportagem publicada nesta quinta-feira (19) pelo Estadão Conteúdo.

Paulo Guedes revelou que os investimentos que estão por vir irão “tocar fogo na economia brasileira” e que a MP do Saneamento, recém-aprovada no Congresso, “colocará o Brasil em um outro patamar”.

O ministro também aproveitou para embasar seu otimismo no fato de os juros no Brasil terem atingido um mínimo histórico com a nova redução da Selic para 4,5% ao ano. E projetou uma enxurrada de investimentos para o País.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

“Vem uma onda de investimento privado no ano que vem”.

Guedes não ficou sozinho na “onda”, como ele próprio definiu, de otimismo em relação à economia. Mansueto Almeida, secretário do Tesouro Nacional, corroborou com as afirmações do ministro.

“Colocamos na pauta econômica discussões que, há 2 ou 3 anos, eram impossíveis começar”, afirmou. “Há 3 anos, era impossível falar de independência do BC. Privatização era impopular. Hoje, podemos começar este debate”, acrescentou. “Começamos a ter bom ambiente político para andar com projetos na Câmara e no Senado.”

Segundo Mansueto, o crescimento do País em 2019 só não foi maior por conta da tragédia do rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho (MG) e pela crise da Argentina, que diminuiu as importações de produtos brasileiros.