Paulo Guedes defende vacinação em massa para reaquecer economia

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A vacinação em massa contra a Covid-19 será fundamental para estimular a economia do País e até para “esvaziar” a pauta do Congresso Nacional, segundo Paulo Guedes.

O Ministro da Economia concedeu entrevista ao blog da jornalista Ana Flor, do G1, e atrelou a eficiência da imunização contra o novo coronavírus ao retorno do emprego e da renda aos trabalhadores do País.

“O foco agora é saúde, que significa vacinação em massa, emprego e renda, que são reformas, reformas, reformas”, afirmou.

O ministro apresentou nesta quinta (28) os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), e revelou que o governo está estudando a possibilidade de estender o programa de manutenção de empregos, que se encerrou em 31 de dezembro.

Guedes afirmou que o programa foi responsável por manter 11 milhões de vagas formais, e custou R$ 34 bilhões aos cofres públicos.

“Estamos manobrando dentro das nossas restrições, dentro das regras em vigor, para abrir espaço para este programa voltar”

O ministro repetiu o que já havia falado há alguns dias, e afirmou que “a vacinação é decisiva, é um fator crítico de sucesso para o bom desempenho da economia logo à frente”.

Guedes quer desafogar o Congresso

O chefe da pasta econômica também abordou rapidamente a pauta sobrecarregada à espera de aprovações no Congresso Nacional.

Para Paulo Guedes, tanto Câmara quanto Senado têm o chamado “timing dos políticos”, mas sabem que, quanto antes resolverem as questões pendentes, mais ajudarão a abrir espaço no orçamento para melhorar a assistência social, melhorar a produtividade da economia e gerar empregos.

“Nosso desejo é o de desobstruir a pauta do Congresso nos próximos 30 a 60 dias”, finalizou.

Dados do Caged

Os dados divulgados nesta quinta pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados mostraram que o Brasil abriu  142.690 vagas de emprego com carteira assinada em 2020.

Segundo o Ministério da Economia, a geração líquida de empregos é resultado de 15.166.221 contratações e de 15.023.531 demissões ao longo do último ano.

O resultado confirmou a expectativa do ministro da Economia, Paulo Guedes, de terminar 2020 sem uma destruição líquida de empregos formais.