Paulo Guedes Defende Nova CPMF, Contra Bolsonaro e Maia

Bernardo Pires
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Agência Brasil

O ministro da economia, Paulo Guedes voltou a dizer que o imposto nos moldes da antiga CPMF pode ser criado, mas a proposta é repelida pelo presidente Jair Bolsonaro

Na antiga CPMF (também conhecida como imposto do cheque), criada no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em 1997, a contribuição era cobrada sobre todas as movimentações financeiras como: saques, depósitos, transferências e pagamentos com cartões.

Em 2007 durante o governo Lula o congresso nacional extinguiu o imposto.

Apesar dos recados de Jair Bolsonaro reforçando a sua oposição a proposta, o ministro da economia Paulo Guedes falou sobre a possibilidade da criação de um tributo nos moldes do antigo imposto.

A proposta pode fazer parte da reforma tributária que será enviada ao congresso.

Para o ministro,a CPMF tinha uma capacidade de tributação muito rápida além de intensa e que na época foi apoiado por todos os economistas brasileiros.

Segundo Guedes, se a alíquota do imposto for pequena não afetaria a população.

A ideia é utilizar o dinheiro arrecadado para desonerar a folha de pagamento das empresas.

O presidente Bolsonaro tem afirmado e reafirmado que a CPMF não vai voltar, nem mesmo será criado nada parecido. Porém,admitiu depois de supostas conversas com Paulo Guedes e a sua equipe econômica, que a taxação pode voltar se for para substituir outros impostos como a contribuição previdenciária paga pelo empregador

Existem pessoas que defendem que a CPMF seja primeiro testada por seis meses como forma de arrecadação substituta e não como aumento de carga tributária, não existindo a menor condição política para fazer isso.