Paulo Guedes avisa que reforma tributária “está pronta” para ir ao Congresso

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Imagem/reprodução/revistaforum

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a proposta da reforma tributária está “absolutamente pronta” para ir ao Congresso.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Durante uma reunião virtual com empresários, o chefe da pasta afirmou estar ansioso para que os parlamentares aprovem o texto nos próximos 90 dias.

“[O modelo de reforma tributária] já está pronto. Está absolutamente pronto para ser disparado. Primeiro de janeiro deste ano já estava tudo combinado”, afirmou.

Investimentos privados

Guedes também prometeu tratar como prioridade os projetos que estimulem investimentos privados.

Entre os principais, na visão do ministro, estão  a proposta que reformula o mercado de gás e a nova regulamentação da navegação de cabotagem.

“Tudo isso [projetos para atrair investimentos] pode ser aprovado em 60 a 90 dias. E isso significa destravar os investimentos. Daqui a dois, três meses, se já mudamos o marco regulatório agora, os investimentos já estão sendo disparados”, declarou o ministro.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

Renda e emprego

Uma das maiores preocupações de Paulo Guedes, mesmo antes da pandemia, era com a geração de novos empregos.

O ministro mencionou a recriação da carteira verde-amarela, novo regime de trabalho com menos direitos trabalhistas para empregados jovens válido por dois anos, e a unificação dos programas sociais por meio do Renda Brasil.

Guedes citou ainda um novo programa social com medidas como Imposto de Renda negativo e microcrédito para cerca de 38 milhões de trabalhadores informais que não tinham acesso a nenhum benefício social.

“Ele [o trabalhador informal e autônomo] basicamente era um invisível. Nós agora vamos dignificar esse trabalho. Uma pessoa que pode ganhar R$ 500, R$ 600, R$ 700 trabalhando, em vez de recorrer a R$ 200 do Bolsa Família. Deixa ele continuar livre, mas agora com apoio de microcrédito, com imposto de renda negativo, com programas de aperfeiçoamento. Temos que dar a mão e dignificar o trabalho deles, em vez de ignorá-los”, concluiu.

Planilha de Açõesbaixe e faça sua análise para investir