Patrimônio da indústria de fundos tem crescimento de 1,77% em maio, diz Economatica

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Foto: Fundos de investimento são opção para diversificar carteira

A Economatica divulgou relatório sobre o desempenho dos fundos de investimentos no mês de maio em que mostra que o patrimônio da indústria de fundos registrou crescimento de 1,77% em maio.

Com dados da CVM e Anbima, o relatório desconsidera o fundo BB Carteira Ativa do Banco do Brasil por ter efetuado um resgate de R$ 43,8 bilhões no mês de janeiro/21 referente à posição das ações da Litel e Litela, o que acaba distorcendo as amostras de 12 meses e no ano de 2021.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Confira abaixo os principais destaques em cada categoria:

Fundos de ações

No mês de maio os fundos de ações tiveram crescimento pelo quarto mês consecutivo, aumento de 4,77%. Em fevereiro houve crescimento de 0,42%, março o crescimento foi de 3,55% e em abril de 5,19%.

Sete categorias tiveram crescimento de patrimônio acima dos 5%. Os fundos ações mono ação com crescimento de 15,42% tiveram o melhor desempenho, seguidos pelos de ações índice ativo com 8,28% e ações indexados com 8,15%.

Os fundos ações setoriais tem o menor desempenho com crescimento de 2,86%.

O patrimônio dos fundos de ações em março registrou crescimento de R$ 31,9 bilhões, fechando maio com R$ 700,6 bilhões.

A captação líquida dos fundos de ações em maio foi positiva em R$ 6,39 bilhões, puxada pelos fundos de Ações Invest. no Exterior com captação de R$ 3,17 bilhões. Já os fundos Ações valor/crescimento tiveram a maior queda, com R$ 526,0 milhões de captação líquida negativa.

Fundos multimercados

Em maio e pelo nono mês consecutivo o patrimônio dos fundos multimercado registrou crescimento.

No mês de setembro foi de 0,13%, outubro de 0,52%, novembro de 1,57%, dezembro 1,86%, janeiro/21 com 0,30%, fevereiro com 0,90%, março com 1,28%, abril 1,61% e maio 1,38%.

Os Multimercados L/S – Neutro tiveram o maior crescimento com 2,29%. Quatro categorias tiveram recuo de patrimônio, os Multimercados balanceados registram a maior queda de patrimônio com -20,78%.

No mês de maio houve o quarto mês de captação positiva, em fevereiro a captação foi de R$ 10,4 bilhões, em março de R$ 8,24 bilhões, abril R$ 12,4 bilhões e maio de R$ 6,30 bilhões, que é o menor valor da série.

O carro chefe em captação líquida no mês de maio foram os fundos Multimercados Invest. no Exterior com R$ 6,51 bilhões, seguidos pelos Multimercados livre com R$ 2,42 bilhões.

Na contramão estão os fundos Multimercados balanceados com queda de R$ -2,02 bilhões e Multimercados macro com queda de R$ -582,19 milhões.

Em maio na mediana todas as categorias têm rentabilidade acima do CDI. Em 12 meses, os Multimercados L/S – Neutro tiveram a menor rentabilidade com 117,71% do CDI.

Fundos renda fixa

Pelo sexto mês consecutivo os fundos de renda fixa tiveram crescimento de patrimônio, em dezembro de 2020 o crescimento foi de R$ 21,7 bilhões ou 1,0%, janeiro de 2021 de R$ 36,14 bilhões ou 1,65%, fevereiro com R$ 19,4 bilhões ou 0,87%, março de R$ 19,6 bilhões ou 0,87%, abril com crescimento de R$ 16,5 bilhões ou 0,73% e maio com crescimento de R$ 22,86 bilhões ou 1,49%.

Os fundos de RF fecham o mês de maio com patrimônio de R$ 2,32 trilhões.

A captação líquida em maio foi positiva pelo sexto mês consecutivo, em dezembro foi positiva em R$ 2,75 bilhões, janeiro R$ 28,9 bilhões, fevereiro R$ 18,5 bilhões, março R$ 9,33 bilhões, abril R$ 8,18 bilhões e maio de R$ 22,4 bilhões.

Oito categorias tiveram saída de recursos em maio. Os Renda Fixa Indexados queda de R$ 6,82 bilhões, Renda Fixa Duração Livre Crédito Livre queda de R$ 1,84 bilhão e Renda Fixa Duração Média Grau de Invest. com queda de R$ 1,31 bilhão.

Os fundos Renda Fixa Duração Baixa Soberano tiveram a maior captação líquida, com R$ 19,2 bilhões.

Os fundos de Renda Fixa Duração Alta Soberano tiveram o melhor desempenho em maio, na mediana valorizaram 0,99%.

Três categorias tiveram rentabilidade na mediana abaixo do CDI e duas têm rentabilidade negativa.

Fundos de previdência

Os fundos de previdência registraram crescimento de 0,81% de patrimônio, ficando com patrimônio de R$ 1,01 trilhão em 31 de maio de 2021.

Em maio a captação líquida consolidada dos fundos de previdência foi positiva quebrando uma sequência de três meses consecutivos de queda, em fevereiro a queda foi de R$ -681,2 milhões, março de R$ -1,35 bilhão, abril -R$ 3,40 bilhões e em maio positiva em R$ 491,2 milhões.

Os fundos de Previdência Multimercado Livre tiveram a maior captação líquida em maio com R$ 5,68 bilhões, seguidos pelos Previdência RF Duração Baixa Grau de Inv. com captação líquida de R$ 2,65 bilhões. Na contramão, os fundos de Previdência RF Duração Média Grau de Inv. tiveram captação líquida negativa de R$ -3,39 bilhões e os de Previdência RF Duração Baixa Soberano de R$ –2,21 bilhões.

Os fundos de Previdência Ações Indexados tiveram o melhor desempenho no mês de maio, na mediana a rentabilidade é de 5,83%, seguidos pelos Previdência Multimercados com 5,70%.

Fundos ETFs e cambial

Em maio, os fundos de ETF´s registraram crescimento de patrimônio de 7,58% e os cambiais crescimento de 3,21%.

A captação líquida em maio dos fundos cambiais foi de R$ 489,5 milhões e os de ETF´s tiveram captação R$ 1,06 bilhão.

Em maio os fundos cambiais na mediana tiveram valorização de 3,21% e os de ETF´s na mediana valorização de 7,58%.

Fundos investimento consolidado

Em maio o patrimônio líquido consolidado da indústria teve crescimento de 1,77%.

Os fundos de índices ETF´s tiveram o maior crescimento com 7,58%, seguidos pelos fundos de ações com 4,77%. Os de previdência registraram o menor crescimento com 0,81%.

A captação líquida consolidada em maio foi de R$ 37,22 bilhões. Os fundos de renda fixa tiveram a maior captação líquida com R$ 22,48 bilhões, seguidos pelos fundos de ações com R$ 6,39 bilhões e os fundos multimercados com captação de R$ 6,30 bilhões. Os fundos cambiais tiveram a menor captação líquida com R$ 489,5 milhões e os de previdência com R$ 491,2 bilhões.

Em 12 meses os fundos de índices ETF´s foram os únicos a registrar captação líquida negativa com R$ -4,69 bilhões. Todas as demais categorias tiveram captação líquida positiva, os fundos de renda fixa lideram com R$ 202,9 bilhões, seguidos pelos multimercados com R$ 161,32 bilhões, ações com R$ 57,8 bilhões e previdência com R$ 43,9 bilhões.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3