Participação de brasileiros na B3 aumenta 15% em março

Jéssica De Paula Alves
Jornalista e produtora de conteúdo

Crédito: Reprodução / Pixabay

O mês de março registrou um aumento na participação de pessoas físicas na Bolsa de Valores do Brasil, a B3. Com 15%, este foi considerado maior crescimento mensal da história, informou o Estadão. Ou seja, aparentemente os investidores brasileiros não parecem impactados com a crise do coronavírus.

No mês passado, as pessoas físicas venderam R$ 111,2 bilhões e compraram R$ 128,7 bi. Já com os investidores de fora do País, a B3 perdeu R$ 375,7 bi. E só recebeu R$ 351,5 bi em troca. Todavia a participação do segmento de investidores individuais ainda é menor no volume total.

Ou seja, foi 16% de brasileiros contra 48% de estrangeiros. E a quantidade de Cadastros de Pessosas Físicas (CPFs)  na B3 saltou de 564 mil, em 2016, para 2,27 milhões em março de 2020.

O analista de mercado da Ágora Investimentos, Ricardo França, explicou ao Estadão que os cortes da taxa Selic incentivaram muitos brasileiros a trocarem a renda fixa pela variável nos últimos anos. “O novo cenário de juros baixos fez os investidores despertarem para a importância de diversificar seus investimentos”, afirma ele.

Porém, esse movimento não está só associado à redução da Selic, que está em 3,75% ao ano, o menor patamar da história. Segundo França, empresas de diversos setores tiveram um crescimento bem destacado nesse período. Assim, também atraiu investidores individuais que buscavam aumentar a rentabilidade.