Parceria econômica entre EUA e Brasil avança

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

O governo brasileiro e o americano caminham com o pacto econômico firmado pelos presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro, anunciou nesta sexta-feira (10), o escritório do Representante de Comércio dos EUA (USTR) Robert Lighthizer, depois de conversar por telefone com Ernesto Araújo, ministro Relações Exteriores do Brasil.

Segundo USTR, Lighthizer dialogou na quinta-feira com Araújo e outras autoridades brasileiras na sequência do encontro entre os presidente americano e o brasileiro em março, na Flórida, conforme informou reportagem da AFP.

“Eles discutiram formas de implementar o plano dos presidentes para intensificar a parceria econômica entre o dois países. Também concordaram em aumentar e aprofundar as discussões no âmbito do Acordo de Cooperação Comercial e Econômica (ATEC)”, afirmou USTR em comunicado, reforçando que as negociações continuarão na próxima semana.

“O USTR também deve consultar o Congresso nas próximas semanas para buscar orientação sobre a melhor maneira de expandir o comércio e desenvolver nosso relacionamento econômico”, acrescentou.

EUA e Brasil são as principais economias das Américas. Em 2011, assinaram o ATEC visando melhorar a cooperação em comércio e investimento.

De acordo com USTR, que o próximo debate sobre a ATEC prevê “mais detalhes sobre áreas de acordo, além de certas preocupações que existem em nosso relacionamento comercial”.

Na reunião em março, Trump afirmou que não faria promessas sobre não taxar o aço e o alumínio do Brasil. Mas antes disso, em 20 de dezembro, Bolsonaro disse que o presidente americano havia desistido da taxação.

O Brasil é reponsável por aproximadamente 14% de todas as importações de aço dos americanos e é o segundo fornecedor atrás apenas do Canadá.

Bolsonaro é um grande admirador de Trump e, desde que assumiu o poder, estabeleceu uma aliança com os EUA. O presidente dos EUA tem retribuído a consideração.

O comércio de bens e serviços dos EUA com o Brasil somou aproximadamente de US$ 105 bilhões em 2018, com um superávit comercial de bens e serviços dos EUA de 30,6 bilhões dólares.

De acordo com o Departamento de Comércio, as exportações de bens e serviços dos EUA para o Brasil apoiaram 308.000 empregos em 2015 (dados mais recentes disponíveis).

LEIA MAIS

EUA liberam US$ 168 bi em empréstimos a pequenas empresas

PIB pode cair 4% em 2020 se crise avançar até julho, diz Paulo Guedes