Para UBS, 74% dos investidores estão otimistas com a economia nacional

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: UBS/DIVULGAÇÃO

O otimismo está em alta junto a investidores consultados pelo banco UBS com relação à economia nacional. A sondagem foi realizada pelo banco suíço no segundo trimestre do ano.

Na pesquisa anterior, 64% dos entrevistados disseram que estavam otimistas quanto à recuperação da economia nacional. Essa melhora na avaliação se dá por conta do avanço da vacinação contra a covid-19.

A própria avaliação da vacinação também melhorou neste último trimestre na relação com o primeiro, segundo o relatório do banco suíço.

UBS: 49% aponta que a vacinação está sendo bem sucedida

De acordo com a sondagem, no segundo trimestre do ano, 49% disseram que a vacinação está ocorrendo de forma bem sucedida. Enquanto isso, 22% aponta que há um sucesso moderado. Já 29% dizem que não estão satisfeitos com a vacinação.

Na pesquisa do trimestre anterior, a porcentagem daqueles que diziam que a vacina estava bem sucedida, chegava a 37%. Enquanto isso, 29% apontaram que o sucesso era moderado. Já outra fatia de 34% apontava que não estava indo bem.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

Vacinação tem maior influência no otimismo

É a imunização, aliás, a maior fonte de otimismo dos investidores. A campanha de vacinação foi apontada como principal fator por 68% dos entrevistados.

Outra fatia de 56%, disseram que os impactos com as exportações de commodities é o principal fator de expectativas favoráveis para a economia. Enquanto isso, 53% apontou que o motivo maior é um crescimento mais robusto da economia.

Por outro lado, a principal preocupação fica por conta do aumento da inflação, como apontado por 61% dos entrevistados. O aumento na taxa de juros foi citado como preocupação principal por 56%. Já uma parcela de 47% disse que o racionamento de energia era o principal risco.

Com relação ao retorno dos investimentos nos próximos seis meses, 79% esperam bons resultados em carteiras próprias, enquanto 5% estão pessimistas. Outros 16% não responderam.

Relativo aos índices de mercados internacionais, 84% estão otimistas, ao passo que 3% estão pessimistas com os resultados dos próximos seis meses. A neutralidade na opinião chega a 13%.

Aumento de alocação da capital

A pesquisa mostrou ainda que 61% dos investidores planejam ampliar sua alocação de capital. Enquanto isso, 30% não devem mudar e 9% dizem que irão reduzir o movimento.

O que pode prejudicar os investimentos, por outro lado, estão a política de meio ambiente do governo, citada por 80% dos entrevistados. Novas ondas da pandemia da covid-19 foi lembrada por 77% dos entrevistados como entrave. Outra parcela de 73% disse que o aumento de impostos devem inibir os investimentos.

Cenário internacional

No cenário internacional, quase metade dos investidores acredita que a inflação vai acelerar nos próximos 12 meses. Estes planejam ajustar seus portfólios de acordo com a compra de mais ações e ativos reais, de acordo com a pesquisa global do banco.

A pesquisa apontou que 35% dos investidores planejam comprar mais ações. Outra parcela de 33% pretende investir em metais preciosos e 32% planejam agregar investimentos sustentáveis e mais 32% pretendem investir mais em imóveis.

Embora a inflação seja uma preocupação, o otimismo do investidor permanece alto na economia pelos próximos 12 meses (70%) e no mercado de ações desempenho nos próximos seis meses (67%).

Embora os investidores permaneçam otimistas, a principal preocupação é a segurança cibernética (50%), seguida de perto por seus países
política (49%) e mudanças climáticas (49%).

Preocupações com mudanças tributárias (48%) e COVID-19 (47%) diminuíram desde a última pesquisa com investidores, no primeiro trimestre de 2021.