Entrada da Huawei no 5G do Brasil pode atrapalhar cooperação com os EUA, diz assessor da Casa Branca

Daniele Andrade
Jornalista formada pela Universidade Positivo, pós-graduada em Mídias Digitais. Atualmente cursa bacharel em História. Gosta de produzir reportagens sobre política tanto nacional quanto internacional, economia e tecnologia.
1

Crédito: Reprodução/Facebook

O governo norte-americano vê a entrada da chinesa Huawei no mercado 5G brasileiro como um possível entrave na cooperação entre os EUA e Brasil nas áreas de defesa e inteligência.

Foi o que afirmou, no sábado (7), um assessor de alto escalão da Casa Branca após o encontro entre os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump.

As informações são da agência Reuters.

O assessor disse à reportagem da agência sob a condição de anonimato. Ele lembrou que  o tema não seria tratado entre os presidentes no  jantar de sábado a noite. 

A pauta do encontro entre os presidentes incluiu a situação política da Venezuela, Oriente Médio e investimentos em infraestrutura.

“Ter os chineses na rede de 5G, particularmente com a Huawei, iria se tornar um enorme impedimento para as relações entre Brasil e EUA. Isso está por exemplo afetando nossa relação com o Reino Unido”, disse o assessor de Trump à Reuters.

Huawei no Brasil

Por enquanto, o governo brasileiro não realizou nenhuma restrição à entrada da Huawei no Brasil devido ao interesse das empresas na tecnologia.

A Huawei é uma das únicas empresas que possuem a tecnologia 5G.

O leilão sobre o 5G estava programado para o mês de  março. Mas o evento foi adiado para outubro, e agora deve ficar para o ano de 2021.

Sobre a situação da Huawei em relação aos Estados Unidos, o assessor comentou ainda: “Então, isso é realmente um tema de segurança nacional para nós. E também deveria ser para o Brasil. Claramente o Brasil não vai querer que os chineses, por meio da Huawei ou outros meios, coloquem em perigo a privacidade dos seus cidadãos ou a segurança da sua infraestrutura com a penetração nessas redes”.