Pandemia de coronavírus leva KLM a cortar até 2 mil empregos

Rebeca Torres
null

Crédito: Didgeman / Pixabay

A pandemia de coronavírus levou a KLM a cortar até 2 mil empregos, segundo reportagem da Agência AFP.

O anúncio foi feito na última sexta-feira (13).

Com o objetivo de tentar conter a epidemia, o CEO da empresa, Pieter Elbers, disse que a KLM, que tem cerca de 33.000 funcionários, vai pedir para sua equipe trabalhar em horário reduzido a partir do dia 1º de abril.

Análises e Resumos do mercado financeiro com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

Elbers informa como ficará a situação da empresa

Em uma mensagem de vídeo publicada no site da companhia, Elbers disse como ficará a situação nos próximos meses: “Reduziremos de 1.500 a 2.000 o número de empregos, o que significa que não apenas nas próximas semanas, mas nos próximos meses teremos menos colegas”.

Serão afetados por esse corte principalmente trabalhadores de meio período e aqueles que estão prestes a se aposentar.

”Acreditamos que isso é adequado para garantir que não haja outros cortes forçados”, esclareceu ele.

A companhia holandesa, que se uniu à Air France em 2004, já previa uma diminuição drástica de 20% nos números de voos em março e 30% em abril, mês em que foram suspensos os voos para a China e a Itália, por causa do início do surto da doença.

A KLM-Air France já tinha alertado na terça-feira (12) que a epidemia afetaria ainda mais seus negócios nos próximos meses, depois da queda de 0,5% no número de passageiros em fevereiro.

No mês passado, a Air-France-KLM  admitiu a perda com o coronavírus entre 150 e 200 milhões de euros até abril.

”Muita coisa aconteceu nos últimos cinco dias”, admitiu Elbers, já que o número de casos não parava de subir, alcançando 140.720 com 5.347 óbitos em 124 países.

Saiba mais:

Covid-19: aéreas europeias são afetadas pela epidemia do vírus que se alastra pelo continente