Oxford reinicia testes da vacina contra Covid-19 após pausa por segurança

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Site A Gazeta

A Universidade de Oxford, em parceria com o laboratório AstraZeneca, anunciaram o reinício da fase três de testes com a vacina contra Covid-19.

Os estudos haviam sido paralisados na terça-feira, depois que um participante do teste teve reações adversas sérias.

Segundo o jornal The New York Times, após tomar a vacina o paciente apresentou mielite transversa, uma síndrome inflamatória que afeta a medula espinhal e costuma ser desencadeada por infecções virais.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

De acordo com informações publicadas neste sábado (12), o reinício foi definido após a AstraZeneca receber confirmação da Autoridade Reguladora de Saúde de Medicamentos do Reino Unido de que era seguro retomar os testes clínicos.

“A empresa continuará a trabalhar com as autoridades de saúde em todo o mundo e será orientada quanto a quando outros testes clínicos podem retomar para fornecer a vacina de forma ampla, equitativa e sem lucro durante esta pandemia”, disse a AstraZeneca em um comunicado.

Segundo a companhia, a pausa foi necessária para garantir a segurança de todos os que participam dos testes e para que a eficiência do medicamento possa ser comprovada antes do lançamento no mercado.

“Essa é uma ação rotineira que deve acontecer sempre que houver uma doença potencialmente inexplicada em um dos ensaios, enquanto ela é investigada, garantindo a manutenção da integridade dos ensaios”, pontuou.

“Em grandes testes, as doenças acontecem por acaso, mas devem ser revisadas de forma independente para verificar isso cuidadosamente ”, completou.

Anvisa ainda não foi comunicada por Oxford

Apesar do anúncio de que os testes serão retomados imediatamente, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) afirmou, neste sábado, que ainda não foi oficialmente comunicada por Oxford sobre a volta dos estudos.

O Ministério da Saúde também não se pronunciou oficialmente até o momento sobre o retorno dos testes com a vacina, mas já demonstrou confiança na eficiência do medicamento.

“Importante esclarecer que, no ensaio clínico da vacina de Oxford/AstraZeneca, já foram incluídos aproximadamente 18 mil participantes”, revelou.

“O Ministério da Saúde reforça o compromisso em garantir uma vacina segura e eficaz em quantidade para a população brasileira”, finalizou, em nota para à CNN Brasil.

Leia também: Dasa (DASA3) fará parceria com Covaxx para testes de vacina contra Covid-19