Ouro resiste à turbulência global e pode chegar a US$ 1.600 por onça

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Reprodução/Internet

A turbulência na economia global causada pelo avanço do coronavírus não terá qualquer efeito sobre a cotação do ouro.

Considerado um dos investimentos mais seguros, mesmo em tempos de crise, o metal vai se manter acima dos US$ 1.500 por onça nesse ano e atingir um patamar similar ao de 2013 no ano que vem.

Onça do ouro

De acordo com a Reuters, a onça do ouro tem previsão de flutuar entre US$ 1.546 neste ano e, em 2021, alcançar US$ 1.600.

“O ouro restabeleceu seu status de ativo de segurança”, constatou Suki Cooper, analista do Standard Chartered. “Esperamos que o ouro teste máximas de sete anos em 2020, apesar de vermos o Federal Reserve seguindo em compasso de espera ao longo do ano”, completou.

Prata

A prata é outro metal que parece estar imune ao coronavírus. De acordo com a Reuters, pesquisa com 36 analistas e operadores apontou preços médios de US$ 18,28 por onça em 2020 e US$ 19,13 no ano que vem.

Em 2019 o avanço da prata foi de 15%, o maior em três anos, enquanto o ouro registrou um aumento de 18% nos últimos 12 meses.

Espero que essas informações possam ter despertado a sua curiosidade sobre o assunto e que te ajudem a tomar melhores decisões em sua vida financeira.