Oracle e TikTok se tornarão parceiras de negócios nos Estados Unidos

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Kom Karampelas / Unsplash

A TikTok e a Oracle devem se tornar parceiras de negócios nos Estados Unidos, O acordo visa atender as preocupações do governo de Donald Trump, às vésperas da eleição presidencial que tenta manter o atual ocupante da Casa Branca no cargo.

Trump tem usado o embate comercial com a China e o aplicativo de vídeos curtos bastante popular entre os jovens como ferramenta para insuflar o patriotismo dos eleitores e, assim, conseguir virar o quadro eleitoral que, por ora, está bastante favorável ao candidato democrata Joe Biden.

A notícia do acordo chega após semanas de especulação sobre o futuro do aplicativo chinês nos no país.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

A ByteDance, companhia chinesa dona do TikTok, tem até amanhã (15) para acertar sua negociação com uma “nativa” dos Estados Unidos.

Caso contrário, o app será banido do país.

Depois o dia 20, o Departamento de Comércio deve esclarecer quais negócios envolvendo a TikTok serão proibidos no país.

É o que determina uma ordem executiva assinada por Trump em 6 de agosto (uma ordem executiva tem pode semelhante à Medida Provisória no Brasil).

A natureza exata do acordo entre a TikTok e a Oracle permanece obscura, mas não é uma venda direta.

Microsoft

Não se conhece detalhe algum do acordo.

A Oracle é uma empresa norte-americana especializada no desenvolvimento e comercialização de hardware e softwares.

Sua especialidade são bancos de dados.

A notícia veio logo após a Microsoft anunciar que não compraria as operações da ByteDance, dona do TikTok, nos Estados Unidos.

Em nota, a Oracle confirmou que faz parte da proposta apresentada pela ByteDance ao Departamento de Tesouraria

Nela, diz que atuará como “provedora de tecnologia confiável”.

A aparente vitória da Oracle é um golpe para a Microsoft, envolvida há semanas na negociações.

Wallmart

O Walmart também participou de negociações com a Microsoft.

O varejista se interessou em utiliza o TikTok como plataforma de acesso aos consumidores.

O Walmart disse à CNN que “continua a ter interesse na TikTok e segue conversando com a ByteDance”.

“Sabemos que qualquer acordo aprovado deve satisfazer todas as preocupações regulatórias e de segurança nacional”, disse a empresa em comunicado.

Golpe

Segundo a CNN, vários analistas descreveram a busca da Microsoft pelo TikTok como um “golpe” em potencial.

É uma oportunidade de conquistar uma das plataformas de mídia social de crescimento mais rápido do mundo em um momento em que a TikTok pode estar desesperada para fazer um acordo.

“Estamos confiantes de que nossa proposta teria sido boa para os usuários do TikTok, ao mesmo tempo que protegia os interesses da segurança nacional”, disse a Microsoft.

“Para fazer isso, teríamos feito mudanças significativas para garantir que o serviço atendesse aos mais altos padrões de segurança, privacidade, segurança online e combate à desinformação, e deixamos esses princípios claros em nossa declaração de agosto”, seguiu a empresa.

Preocupação com relação ao TikTok

O argumento do presidente norte-americano é justamente a segurança nacional.

Sem apresentar provas, Trump disse que o aplicativo é uma ferramenta de espionagem dos chineses em solo estadunidense.

A popularidade do TikTok explodiu nos Estados Unidos e em outros países ocidentais.

O app se tornou a primeira plataforma de mídia social chinesa a ganhar força significativa fora de seu país de origem.

Foi baixado 315 milhões de vezes nos primeiros três meses deste ano – mais do que qualquer outro aplicativo na história.

Mas Trump e outros políticos disseram que o aplicativo representa uma ameaça à segurança nacional.

Autoridades também expressaram outra preocupação: ele poderia ser usado para coletar dados pessoais de cidadãos dos EUA.

Além disso, poderia limitar a liberdade de expressão, de acordo com as premissas de Pequim.

O TikTok, claro, negou essas acusações.

A empresa disse que seus data centers estão localizados inteiramente fora da China.

Assim, nenhum desses dados está sujeito à lei chinesa.

Parceria com a Oracle

Não está claro se a parceria do TikTok com a Oracle permitiria que o aplicativo evitasse a proibição.

Muita gente nos Estados Unidos vê a ordem executiva de banimento do aplicativo como mero espasmo político de Trump.

A TikTok processou o governo Trump por achar a ordem executiva “fortemente politizada”.

Entretanto, há exemplos no passado que podem dar uma ideia de como pode ser o acordo.

Quando o conglomerado de tecnologia japonês SoftBank adquiriu uma participação de 78% na Sprint, em 2013, as duas empresas concordaram com várias condições para tratar de questões de segurança nacional.

Um novo membro do conselho da Sprint foi nomeado para supervisionar o cumprimento da questão “segurança nacional”.

Mesmo que se chegue a um consenso sobre como essa parceria deve ser estruturada, o acordo ainda será incrivelmente complicado.

Essa é a visão de Harry Broadman, sócio do Berkeley Research Group e ex-membro do Comitê de Investimentos Estrangeiros dos Estados Unidos, o órgão governamental que analisa certos negócios que poderiam dar a um investidor estrangeiro o controle de uma empresa nos Estados Unidos.