Operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional avançam 1,5% em agosto

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O saldo das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) apresentou mais um mês de avanço, registrando alta de 1,5% em agosto.

O crédito para pessoas físicas avançou 1,9%, enquanto para pessoas jurídicas, avançou 1%, segundo informações divulgadas pelo Banco Central nesta segunda-feira (27).

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

crédito

Reprodução/Banco Central

As concessões totais de crédito em agosto somaram R$ 431,4 bilhões, retração de 2,1% no mês, devido às variações de 3,5% em pessoas jurídicas e de 0,5% em pessoas físicas.

A média do custo de toda a carteira de crédito do sistema financeiro, calculada pelo Indicador de Custo de Crédito (ICC), apresentou alta marginal de 0,2%, com os últimos 12 meses em 17,5%.

A inadimplência ficou estável pelo quarto mês consecutivo, em 2,3%.

A taxa média de juros no crédito livre passou de 28,9% ao ano em julho para 29,9% ao ano em agosto. Os juros do cheque especial passaram de 124% ao ano (dado revisado) para 124,9% ao ano. O juro médio total cobrado pelos bancos no rotativo do cartão de crédito subiu 4,6 pontos porcentuais de julho para agosto. A taxa passou de 331,5% para 336,1% ao ano.

Análise BTG (PBAC11)

Segundo comentário de analistas do BTG Pactual (BPAC11) Digital, a retomada da mobilidade social ao patamar pré-pandemia deve fortalecer o mercado de trabalho, propiciando a continuidade de dados positivos para a inadimplência.

Por outro lado, o ciclo de alta da taxa Selic, somada à elevada inflação, deve influenciar na confiança do consumidor e, consequentemente, pode desestimular o crescimento do crédito em alguns segmentos.