Opep+: produção de petróleo deve diminuir gradualmente a partir de maio

Karin Barros
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: ANP

Nesta quinta-feira (1), depois que o novo governo dos EUA pediu à Arábia Saudita para que mantenha preços da energia em níveis acessíveis, a Reuters divulgou que a Opep+ concordou em diminuir gradualmente seus cortes na produção de petróleo a partir do mês de maio.

O grupo, que vem implementando cortes profundos desde a queda dos preços do petróleo em 2020, concordou em reduzir os cortes de produção em 350 mil barris por dia (bpd) em maio, outros 350 mil bpd em junho e mais 400 mil bpd em julho.

Irã confirma

O ministro do petróleo do Irã, Bijan Zanganeh, confirmou, segundo a Reuters, os números acordados durante as negociações, dizendo que o grupo deverá aumentar a produção em um total de 1,1 milhão de bpd até julho.

O ministro da Energia da Arábia Saudita, Príncipe Abdulaziz Bin Salman, disse em entrevista coletiva após as negociações que a decisão desta quinta-feira não foi influenciada por nenhuma conversa com autoridades norte-americanas.

Não ficou imediatamente claro se a Arábia Saudita abrandaria seus próprios cortes voluntários de 1 milhão de bpd, que vem implementando além das reduções sob o acordo Opep+.

Uma fonte disse que Riyadh continua revisando sua posição.

Segundo o acordo desta quinta-feira, os cortes de petróleo implementados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo, Rússia e seus aliados, um grupo conhecido como Opep+, ficariam um pouco acima de 6,5 milhões de bpd a partir de maio, em comparação com as restrições existentes ligeiramente abaixo de 7 milhões de bpd em abril.

Petróleo cai

O petróleo Brent, que caiu com a notícia do negócio, ainda era negociado acima de 63 dólares o barril, ainda mais de 20% acima do início do ano e não muito longe da máxima deste ano, em torno de 71 dólares.

Decisão estimula alta do petróleo

Segundo o BDM, o petróleo do tipo WTI para maio fechou em alta de 3,87% na Nymex, recuperando o preço acima dos US$ 60, a US$ 61,45 o barril, enquanto o tipo Brent para junho subiu 3,38%,a US$ 64,86 o barril na Ice.

A decisão da OPEP+ de elevar a produção de petróleo gradualmente de maio a julho apoiou a alta.

Considerando que a volatilidade atual pede abordagem cautelosa, a Opep+ ponderou que houve melhoria no mercado, com vacinação e programas de estímulos.

O cartel anunciou que o aumento da produção diária não vai ultrapassar 500 mil barris por dia, mas segundo fontes ouvidas pela agência Dow Jones, o grupo vai reduzir cortes de produção de petróleo em 350 mil bpd em maio, o mesmo montante em junho e 450 mil em julho.

De acordo com o BDM, a decisão “foi conservadora” e pode ser revista.