Opep e aliados retomam conversas sobre corte na produção de petróleo

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Site Petronotícias

A Organização Mundial dos Exportadores de Petróleo (Opep) e os aliados retomaram nesta quinta as negociações sobre a política de produção.

A ideia é alcançar rapidamente um consenso sobre como lidar com a demanda para 2021, que deve continuar bem abaixo do normal por conta da pandemia de coronavírus.

As conversas da Opep e dos aliados da Opep+ giram em torno da redução da produção de petróleo de 7,7 milhões de barris por dia até março, pelo menos.

Invista em suas Escolhas. Conheça os Melhores Investimentos 2021.

Os representantes de 23 países do grupo, que é composto por alguns dos maiores produtores de petróleo do mundo, marcaram de se reunir nesta quinta-feira.

O impasse da Opep em torno do petróleo

De acordo com reportagem da CNBC, A Arábia Saudita, maior produtora de petróleo do mundo, e líder da Opep, é a principal defensora de manter o nível atual de cortes até o final do primeiro trimestre. No entanto, alguns produtores questionaram esta abordagem após uma recuperação sustentada dos preços do petróleo no mês passado.

Rússia e Cazaquistão estariam a favor de um aumento gradual das restrições à produção, enquanto os Emirados Árabes Unidos têm pressionado ostensivamente por uma estratégia destinada a melhorar a conformidade dos países com excesso de produção.

“Surpreendentemente, desta vez, não foi uma discórdia entre a Rússia e a Arábia Saudita que impediu o grupo de chegar a um acordo claro sobre se deveria atrasar o aumento de produção planejado”, comentou Ole Hansen, chefe de estratégia de commodities do Saxo Bank, em nota de pesquisa .

“Em vez disso, uma divisão talvez mais perigosa, de uma perspectiva de estabilidade da Opep, surgiu entre a Arábia Saudita e os Estados Unidos da América, dois países do GCC que normalmente falam a uma só voz~, completou.

Segundo Hansen, o fracasso em chegar a um acordo na quinta-feira pode fazer com que os preços do petróleo caiam “em vários dólares”. O chefe de estratégia afirmou ainda que “qualquer coisa que não seja um acordo a adiar seria a OPEP + dar um tiro no próprio pé”.

De acordo com a CNBC, Rússia e nove outros países não pertencentes à Opep têm trabalhado com o grupo de 13 membros para sustentar os preços do petróleo nos últimos anos. Nos últimos meses, a Opep+ procurou navegar seu caminho através de um período historicamente tumultuado, incluindo um colapso sem paralelo nos preços do petróleo, um choque maciço na demanda de combustível em meio à crise do coronavírus, uma guerra de preços saudita-Rússia e a saída do Catar da organização.

“A Opep+ controla quase 50% da produção global”, disse Tamas Varga, analista sênior da PVM Oil Associates, em uma nota de pesquisa na quinta-feira. “Este privilégio, no entanto, vem com um fardo (e) foi revelado esta semana.”

“É muito mais difícil chegar a um acordo com 23 participantes, cujas metas não estão necessariamente alinhadas, do que com 13 países”, continuou ele.

“Apesar das divergências e pontos de vista divergentes, uma coisa parece certa: é do melhor interesse de todos os envolvidos chegar a uma solução mutuamente aceitável – às vezes, escolher a opção menos pior é a única saída”, concluiu.

Cotações desta quinta-feira

Após a divulgação da nova reunião da Opep, as cotações do petróleo nesta quinta-feira apresentaram o seguinte panorama: o tipo WTI, que abriu fechou a quarta-feira cotado a US$ 45,28 o barril, abriu a quinta em baixa, a US$ 44,99, mas, por volta das 16 horas, se recuperou e estava sendo negociado a US$ 45,67 (variação de +0,91%).

O petróleo tipo Brent, por sua vez, fechou o dia anterior em US$ 48,25 o barril, abriu a quinta-feira em baixa, cotado a US$ 47,95 e, por volta das 16h10, estava em US$ 48,74, com alta de 1,02%.