Opep e aliados chegam a acordo para corte na produção de petróleo

Marcia Furlan
Jornalista com mais de 30 anos de experiência. Trabalhou na Editora Abril e Agência Estado, do Grupo Estado, como repórter e editora de Economia, Política, Negócios e Mercado de Capitais. Possui MBA em Mercado de Derivativos pela FIA.
1

Crédito: Freepik

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) chegaram a um acordo sobre a redução da produção de petróleo nesta sexta-feira (10), debate que se arrastou por toda essa semana. De acordo com informações da Agência Estado, os países concordaram em reduzir a produção total em mais de 10 milhões de barris por dia (bpd). Falta apenas o endosso do México.

O impasse em torno da questão se estendia desde o começo de março, quando a Arábia Saudita e a Rússia não entraram em acordo sobre o corte da produção e iniciaram uma guerra de preços. Os países passaram a debater a necessidade de reduzir a oferta de petróleo frente à acentuada retração da demanda provocada pela pandemia do coronavírus, com objetivo de evitar uma queda maior das cotações.

O acordo prevê que o corte fique em vigor por dois meses, a partir de 1° de maio, segundo comunicado divulgado pela Opep+. No segundo semestre, o corte diminuiria para 8 milhões de bpd. A partir de janeiro de 2021, passaria para 6 milhões de bpd, ficando assim até abril de 2022.