Onda de IPOs: empresas captaram mais de R$ 44 bilhões em 2020

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução / Flickr

2020 vai entrar para a história da bolsa de valores brasileira não apenas por ter atingido um número recorde de investidores, mas também por conta da onda de aberturas de capital, em meio a uma crise sanitária global. Ao longo do ano, 27 empresas fizeram suas Ofertas Iniciais de Ações (IPO) na B3, captando mais de R$ 44,5 bilhões. Esses números só perdem para 2007, quando foram realizados 64 IPOs, com captação de R$ 55 bilhões.

Com as incertezas em relação à economia e à pandemia, muitas empresas já ficaram pelo caminho. 19 companhias cancelaram os processos de abertura de capital, chegando a se falar em uma “onda de desistências”.

Mas enquanto algumas decidiam dar um passo atrás e esperar, outras correram para colocar o plano em curso. No total, 37 companhias aguardam na fila para terem suas ações negociadas na B3.  

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a opções de investimentos de acordo com seu perfil. Invista em suas Escolhas

  • Dúvida sobre o que é e como funciona um IPO? Clique aqui e leia uma reportagem especial sobre o assunto. 

A fabricante de softwares, Neogrid (NGRD3), foi a última empresa a estrear em bolsa neste ano. Em seu IPO, a companhia fixou preço de R$ 4,50 por ação, abaixo da faixa indicativa inicial, que ia de R$ 5,50 a R$ 7,25. E captou R$ 486,5 milhões.

No início de dezembro, a Rede D’Or protagonizou o terceiro maior IPO da bolsa brasileira, captando R$ 11,4 bilhões.

A onda de IPOs está chegando ao fim?

A sequência de anúncios de desistência de IPOs em outubro levantou a dúvida sobre a consistência da onda de abertura de capitais que estava se desenhando para este ano.

Mas o avanço de vacinas contra o coronavírus, excesso de liquidez global e resultados econômicos melhores do que esperado favoreceram a retomada de emissões de ações em 2020.

Para 2021, os coordenadores de ofertas de ações acreditam que o ciclo de IPOs e follow-ons no Brasil deve continuar. As projeções chegam a cerca de R$ 140 bilhões a R$ 150 bilhões para emissões de ações.

De acordo com o assessor de investimentos e sócio da EQI, Elias Wiggers, 2021 tem tudo para ser o ano que 2020 não foi.

Novo perfil das ofertas

No fim de novembro, o diretor da B3, Rogério Santana,  falou com otimismo sobre novas ofertas durante a Money Week, maior evento online de investimentos da América Latina.  Segundo ele, o mercado de capitais entrou num ciclo que está apenas no começo.

“Com a entrada de novos investidores, há uma procura maior pela diversificação. E isso passa pela entrada de novas empresas.” Ou seja, os IPOs devem persistir.

O perfil das ofertas, no entanto, tende a mudar. Neste primeiro momento, de retomada do mercado, é normal que empresas maiores e mais bem preparadas sejam as primeiras da fila. “Conforme o processo vai avançando, outros nomes começam a surgir. O que vai viabilizar a redução cada vez maior do tamanho das empresas e do tamanho das ofertas”, explicou Santana.

Veja a lista das empresas que já fizeram IPO em 2020 e quanto elas captaram: 

  • Neogrid (fabricante de softwares): R$ 486,45 milhões
  • Rede D’or (rede de hospitais): R$ 11,4 bilhões
  • Estapar (empresa de estacionamentos):  R$ 345,3 milhões  
  • Aura Minerals (fabricante de ouro): R$ 790 milhões 
  • Ambipar (empresa de gestão ambiental ): R$ 1,08 bilhão  
  • Grupo Soma (varejista de moda): R$ 1,82 
  • d1000 (rede de farmácias): R$ 400,2 milhões 
  • Pague Menos (rede de farmácias): R$ 858,9 milhões 
  • Quero-Quero (varejista de material de construção): R$ 1,94 bilhão 
  • Priner (serviços de engenharia industrial): R$ 200 milhões 
  • Mitre Realty (incorporadora): R$ 1,02 bilhão 
  • Moura Dubeux (incorporadora): R$ 1,25 bilhão  
  • Lavvi (incorporadora): R$ 1,16 bilhão 
  • Locaweb (empresa de hospedagem de sites): R$ 1 bilhão  
  • Petz (pet shop): R$ 3 bilhões
  • Plano e Plano (incorporadora): R$ 633,4 milhões
  • Melnick (incorporadora): R$ 647,8 milhões
  • Hidrovias: R$ 3 bilhões
  • Cury (incorporadora): R$ 977,5 milhões
  • Boa Vista (serviços financeiros): R$ 2,21 bilhões
  • Sequoia: R$ 905,8 milhões
  • Grupo Mateus (alimentos): R$ 4,6 bilhões
  • Track & Field (vestuário): R$ 454,7 mihlões
  • 3R: R$ 690 milhões
  • Aeris (pás eólicas): R$ 1,1 bilhão
  • Méliuz: R$ 583,4 milhões
  • Enjoei (brechó online): R$ 1,1 bilhão

Entre as empresas que registraram seu pedido na CVM em dezembro estão a Orizon, Guararapes Painéis, Jalles Machado, Oceanpact, Eletromidia, Mobly, Kalunga e Westwing.

O que explica o boom de IPOs? 

Em 2019, o mercado financeiro já se referia a 2020 como o “ano dos IPOs”. E não era para menos. Havia uma expectativa de que, neste ano, a economia brasileira teria um crescimento mais robusto, depois da ressaca gerada pela recessão que começou em 2014. 

Esse otimismo se refletiu diretamente na bolsa. No dia 23 de janeiro, o Ibovespa atingiu o recorde de 119 mil pontos. No mês seguinte, foram realizados os quatro primeiros IPOs do ano. Em todo o ano de 2019 apenas cinco empresas abriram o capital na bolsa brasileira. 

Em março, no entanto, a pandemia derrubou os mercados do mundo inteiro, gerando pânico e incerteza. Isso interrompeu temporariamente os planos das companhias. Algumas delas suspenderam o processo de IPO até que a turbulência se desfizesse. 

O clima de insegurança acabou dando lugar a uma maior previsibilidade, com a abertura de economias ao redor do mundo e com os resultados da atividade econômica vindo melhores do que o esperado. Além do avanço de vacinas contra a Covid-19.

Embora ainda não tenha atingindo o recorde de 119 mil pontos, o Ibovespa se aproxima cada vez mais deste patamar, atualmente em 118.209,57 pontos.

Juros baixos e pessoa física na bolsa

Dois fatores têm sido preponderantes nessa recuperação do mercado de capitais. E eles estão diretamente relacionados. O primeiro deles é a taxa de juros, que alcançou o patamar mais baixo da história: a Selic chegou ao nível de 2% ao ano. Esse cenário obriga o investidor a se arriscar mais, para obter mais rentabilidade. Isso está fazendo o brasileiro migrar para a bolsa. 

Para se ter uma ideia, o número de investidores na B3 passou de 619,6 mil em 2017 para 3 milhões em dezembro de 2020. 

Além disso, é preciso considerar que as ofertas primárias são uma fonte de captação muito mais baratas para as empresas quando comparadas a outras linhas de financiamento. 

Sem euforia  

Entre analistas e economistas, a avaliação é de que esse aumento expressivo de IPOs no País não é indicativo de uma bolha. Eles consideram um processo natural e até saudável para o mercado.

Ainda assim, a recomendação para o investidor é que se tenha cautela. Nem toda empresa que faz uma abertura de capital é sólida financeiramente ou tem uma boa perspectiva de crescimento. Muita gente já perdeu dinheiro com histórias que pareciam promissoras e não se confirmaram. Está aí o exemplo do Grupo X, do empresário Eike Batista. 

Por trás da aparente euforia dessa nova onda de IPOs, os investidores já demonstraram uma maior seletividade na escolha dos ativos – o que acabou levando até a algumas desistências. 

Ao decidir por entrar ou não em um IPO, os investidores devem observar a documentação apresentada pela empresa à CVM e analisar o que será feito com o dinheiro obtido com a oferta de ações. Se os recursos serão usados para expansão, é um bom sinal. Se forem para o bolso do acionista (oferta secundária) ou para pagar dívida, pense duas vezes antes de entrar. 

IPOs: 2020 versus 2007

A corretora Planner fez um estudo relembrando o boom de IPOs do mercado brasileiro em 2007 com o movimento que se desenrolou em 2020.

Treze anos atrás, a conjuntura econômica era bem diferente. O mercado vinha de um longo período de poucos lançamentos na bolsa. O PIB cresceu 6,1% naquele ano. O capital estrangeiro mostrava bastante apetite pelas ações brasileiras. Naquele momento havia uma crise de crédito nos mercados europeu e norte-americano, que explodiria no ano seguinte, com a crise financeira global.

“O ambiente favorável atraiu muitas empresas para o mercado de capitais, ainda que parte delas não estivesse bem preparada para uma mudança profunda de comportamento e novos desafios”, diz o relatório da Planner. “O maior exemplo foi observado no setor imobiliário. Foram mais de 20 companhias listadas. O otimismo exagerado não se confirmou e a maioria das incorporadoras amargou grandes prejuízos.”

Agora, o movimento não conta com a participação do investidor estrangeiro. Neste ano, eles ficaram com 25% do total de R$ 117 bilhões em ofertas realizadas na B3, entre IPOs e follow-ons. Em 2007, esse porcentual superava os 70%.

Se você quer saber mais sobre o mercado de ações e como investir, preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato.