Óleo no litoral: Ministério Público avalia se interdita praia do Rio

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Agência Brasil

O Ministério Público do Rio de Janeiro avalia se interdita praia do Rio de Janeiro onde foram detectados fragmentos do óleo que avança pelo litoral brasileiro.

O MP já instaurou um procedimento administrativo para acompanhar o avanço da mancha na Praia de Grussaí, em São João da Barra, no litoral norte fluminense. A intenção é proteger banhistas e a população local do risco de contaminação.

Agora, cabe à 2ª Promotoria de Justiça de São João da Barra, à Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade e à Defesa Civil definir se praia do Rio será interditada ou não.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Autoridades confirmam chegada do óleo ao Rio de Janeiro

Na sexta-feira, 22 de novembro, autoridades brasileiras confirmaram que o óleo derramado nas costa brasileira já está chegando ao litoral do Rio de Janeiro.

Em nota, o Grupo de Acompanhamento e Avaliação, formado pela Marinha do Brasil, Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), confirmou que na sexta-feira, 22 de novembro, cerca de 300 gramas de pequenos fragmentos de óleo foram detectados e removidos na Praia de Grussaí, em São João da Barra, no estado do Rio de Janeiro.

O presidente Jair Bolsonaro disse que não há como saber quanto óleo derramado ainda irá aparecer nas praias brasileiras e é preciso estar preparado para o pior cenário.

LEIA MAIS:

Governo pode alterar lei ambiental e começar a exportar árvores nativas

Reforma administrativa pode ficar para 2020, admite Bolsonaro