Oi (OIBR3 OIBR4): oferta recebida é corrida com barreiras, diz ex-ministro

Osni Alves
Jornalista (2007); Especializado em Comunicação Corporativa e RP (INPG, 2011); Extensão em Economia (UFRJ, 2013); Passou por redações de SC, RJ e BH (oalvesj@gmail.com).
1

Crédito: OI (OIBR3 OIBR4): oferta recebida é corrida com barreiras, diz ex-ministro Juarez Quadros

A proposta conjunta recebida pela operadora de telefonia Oi (OIBR3 OIBR4) no fim de semana é uma corrida com barreiras.

A afirmação é do ex-ministro das Comunicações (2002), Juarez Quadros, para quem o plano “é bom”, mas depende de três fatores.

“Para se concretizar, terá que passar pela assembleia de credores, pelo juiz da recuperação judicial, bem como pelos órgãos reguladores”, explicou.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Quadros também ocupou a presidência da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) em 2016 e, atualmente, atua como consultor. Ele falou com exclusividade ao Euqueroinvestir.com.

Perto das 14h, as ações da Oi subiam 7,44% (OIBR3) e 12,93% (OIBR4) na bolsa. Os papéis da TIM (TIMP3) tinham alta de 6,82% e da Telefonica Vivo (VIVT4), 6,73%.

OIBR3: recuperação judicial e fatiamento

De acordo com Quadros, a Oi está em processo de recuperação judicial (RJ) e tenta, agora, liberar alguns ativos.

“Dentro desses ativos, anunciou a operação de telefonia celular. O comunicado foi em junho, informando que dividiria a companhia em ativos móveis, torres, datacenter e o infra”, disse.

Conforme ele, a companhia faria um procedimento em que mede 100% dos ativos nas torres e no datacenter.

As torres sairiam a um preço inicial de R$ 1 bilhão.

“Já o datacenter sairia por R$ 325 milhões, com venda de 100% destas operações”, explicou.

Entretanto, para os ativos móveis a Oi faria procedimento competitivo em que venderia 100% dos ativos por R$ 15 bilhões.

“Tem ainda a parte de infra que faria processo competitivo e somente alienaria 51% do controle. O preço inicial foi colocado em R$ 6,5 bilhões”, ressaltou.

OIBR4: primeiro proponente

Segundo Quadros, o fato de Vivo (VIVT4), TIM (TIMP3) e Claro terem feito uma proposta conjunta dá a elas a garantia de cobrir qualquer outra oferta que chegue à Oi.

“As três operadoras de celular fizeram oferta na condição de primeiro proponente e, com isso, obtiveram a vantagem de cobrir outra proposta que surja”, disse.

Entretanto, ele ressaltou que se tiver que dividir pelas três operadoras, não será uma operação tão simples assim.

“Terão que checar limite de frequência que a Oi opera no país, pois a Anatel estabelece estes limites”, frisou.

Ainda assim, caso a negociação avance, a Oi ainda terá que promover uma assembleia geral com credores.

“A deliberação determina isso. A decisão da assembleia será soberana”, ressaltou.

OI (OIBR3 OIBR4): oferta recebida é corrida com barreiras, diz ex-ministro Juarez Quadros

TIM, Telefonica e Claro devem ter vantagem sobre os demais concorrentes pela Oi Móvel

Algar Telecom também quer

Segundo a coluna Radar, do Globo, uma segunda proposta de compra teria vindo da Algar Telecom.

A operadora mineira, presente em 350 cidades do Brasil, teria um fundo de Singapura por trás da oferta.

Oi: market share

Conforme Quadros, a Oi detém 16,7% de participação de mercado (market share) na telefonia celular. Esse montante corresponde a mais de 37 milhões de acessos móveis.

“O mercado de celular está, atualmente, em 225 milhões em acesso nacional”, disse.

Mercado brasileiro

O mercado brasileiro de telefonia celular é dividido entre as quatro empresas: TIM, Claro, Vivo, e Oi.

Segundo análise do Bradesco BBI, reportada pelo Bom Dia Mercado, a Tim deverá ficar com 50% da Oi Móvel.

O banco cita informações da imprensa internacional, segundo as quais o valor oferecido teria sido de R$ 16 bilhões, acima dos R$ 15 bilhões estabelecidos como mínimo pela tele.

Para a instituição financeira, além da TIM, Telefônica ficaria com uma fatia de 40% e a Claro com 10%.

Para analistas da instituição, a compra vai aumentar a eficiência das empresas, especialmente com a saída da Oi Móvel do mercado.

OI (OIBR3 OIBR4): oferta recebida é corrida com barreiras, diz ex-ministro Juarez Quadros

Bancos avaliam que a TIM deve ficar com a maior fatia da Oi (OIBR3 OIBR4)

Já o Credit Suisse diz acreditar que a TIM ficará com 54% da Oi Móvel. A informação também é do BDM.

O banco avalia que a oferta vinculante conjunta feita pelas empresas Claro, TIM e Telefônica Brasil pela parte de telefonia móvel da Oi é positiva para as três empresas e marginalmente negativa para a Oi.

Em relatório, o banco diz que o valor oferecido pela Oi Móvel deve ter ficado perto de R$ 15 bilhões, preço visto como piso pela operadora, ou mesmo “um pouco abaixo”.

Para os analistas do Credit Suisse, a Telefonica deve ficar com outros 24% da Oi Móvel e 22% para a Claro.

Eles acreditam também que a consolidação do mercado de telefonia móvel deve levar a ganhos de escala, maior racionalidade de preço, potenciais ganhos tributários entre outros.

A oferta

A Oi emitiu, para os acionistas e o mercado em geral, dois fatos relevantes na manhã de sábado (18).

O primeiro confirmava que o Bank of America Merrill Lynch (BofA), assessor financeiro da empresa, recebeu “propostas vinculantes de terceiros pelo ativo móvel da companhia”.

Na madrugada do mesmo dia, a Telefônica Brasil, controladora da Vivo (VIVT3 VIVT4), afirmou que enviou oferta para aquisição da Oi Móvel em conjunto com as teles TIM (TIMP3 TIMP4) e Claro.

Proposta pelas torres

Já o segundo comunicado apontou que o Grupo Oi recebeu uma outra oferta vinculante da Highline do Brasil II Infraestrutura de Telecomunicações S.A.

Dessa vez pelos “ativos e passivos relacionados às atividades de sites de telecomunicação outdoor e indoor de transmissão de radiofrequência da Companhia e suas subsidiárias”.

De acordo com o informativo, a Highline ofereceu na proposta o total de R$ 1.076.740.878,00 pela Unidade Produtiva Isolada (UPI) Torres, conforme cláusula 5.3.2. presente no aditamento ao Plano de Recuperação Judicial da Oi, protocolado em 15 de junho.

Veja o desempenho da OIBR3 na Bolsa:

Fonte: tradingview.