Oi (OIBR4): leilão de data centers e torres será em 26 de novembro, determina juiz

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Divulgação / Oi

A Oi (OIBR3 OIBR4) conseguiu homologação dos editais propostos para a venda de data centers e torres operacionais. O juiz Fernando Viana, da 7ª Vara Empresarial e responsável pela recuperação judicial da Oi, determinou par 26 de novembro a realização de Audiência de Abertura das propostas das duas licitações.

A abertura dos envelopes será em seu próprio gabinete, com acesso virtual aos interessados, por conta da pandemia do novo coronavírus.

A Oi é empresa em reestruturação.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Ela está, atualmente, em um processo de recuperação judicial, que começou em 2016.

O plano é desmembrar o negócio em quatro partes e redirecionar o foco da companhia.

Em um plano de recuperação judicial aprovado recentemente pelos credores, a Oi definiu que venderá as partes da companhia que compreendem telefonia móvel, data centers e torres.

Venda ajudará a quitar dívida da Oi

A Oi ficará apenas com a parte da fibra ótica. E, ainda assim, com uma parcela do negócio.

Isso porque uma fatia (que pode chegar a até 50%) deve entrar na venda, para ajudar a quitar sua dívida, que ultrapassa R$ 26 bilhões.

Serão oferecidas 637 torres da telefonia móvel e 222 estruturas em locais como shoppings, por exemplo.

O valor é de R$ 1,067 bilhão.

Os cinco data centers receberam uma oferta de R$ 325 milhões, R$ 250 milhões à vista e R$ 75 milhões a prazo.

Concorrência

Ficou definido que a operação de telefonia móvel ficará com o consórcio formado por Claro, TIM (TIMS3) e Vivo (VIVT4).

As empresas fizeram uma proposta conjunta e na qualidade de stalking horse.

Ou seja, são compradores prioritários, que podem cobrir qualquer outra oferta feita.

A proposta vinculante do consórcio é de R$ 16,5 bilhões.

A Oi não vê impedimento para essa venda, do ponto de vista da concorrência.

Segundo o presidente da companhia, Rodrigo Abreu, ela deve cumprir os ritos regulatórios perante o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

As empresas já até iniciaram o processo de conversas e entendimento com a reguladora.

Mas só sobre a parte de telefonia móvel.

Para seguir com as vendas de torres e data centers, a Oi deve ainda publicar os editais.

Além disso, deve dar prazo de 30 dias para os interessados apresentarem as propostas.

O juiz Fernando Viana é quem vai abrí-las e escolher a de maior valor.