Oi (OIBR3 OIBR4) retifica balanço do 1T21: prejuízo caiu de R$ 3,51 bilhões para R$ 3,04 bilhões

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Divulgação

A Oi (OIBR3 OIBR4) retificou nesta quarta-feira (7) suas informações referentes ao primeiro trimestre de 2021. O prejuízo primeiramente informado, em 13 de maio, foi de R$ 3,51 bilhões, e agora caiu para R$ 3,04 bilhões.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo

Segundo a empresa, a reapresentação “decorreu da necessidade de correção das despesas e custos com depreciação dos ativos não circulantes que pertencem ao grupo de ativos classificados como ativos mantidos para venda que não foram cessadas durante este período, e deverão permanecer assim até a conclusão das operações, para atender à norma contábil”.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

Vale lembrar que a Oi é uma empresa ainda em processo de recuperação judicial.

Balanço da Oi no 1T21

A Oi (OIBR3) havia reportado prejuízo de R$ 3,5 bilhões no balanço do primeiro trimestre (1T21). Isso representava uma queda de 44,2% na comparação com o mesmo período de 2020, que havia mostrado um prejuízo de R$ 6,28 bilhões.

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

A companhia informou que seus investimentos (Capex) consolidado, levando em conta as operações internacionais, chegaram a R$ 1,83 bilhões.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

O valor representava uma alta de 3,9% no comparativo anual e de 7,3% em relação ao 4T20.

O resultado financeiro líquido no balanço do 1T21 foi uma despesa de R$ 3,94 bilhões. No mesmo período de 2020, a Oi (OIBR3) teve uma despesa de R$ 6,47 bilhões.

Ajustes

A empresa apresentou ajustes em alguns termos. O Ativo Circulante foi apresentado com R$ 34,167 bilhões, passando agora para R$ 34,875 bilhões.

Assim, o Ativo Total foi ajustado para cima, indo de R$ 72,245 bilhões no relatório apresentado em maio para R$ 72,952 bilhões agora.

O Passivo Circulante também sofreu ajustes: de R$ 22,822 bilhões para R$ 23,063 bilhões.

O Patrimônio Líquido foi reajustado de R$ 4,276 bilhões para R$ 4,743 bilhões.

O Resultado Líquido de operações descontinuadas saiu de R$ 70,404 milhões negativos para R$ 396,097 milhões positivos.

Com todas esses ajustes, o prejuízo no período passou de R$ 3,508 bilhões para R$ 3,041 bilhões.

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.