Oi (OIBR3): consórcio esboça partilha de clientes; veja outros destaques

Osni Alves
Jornalista (2007); Especializado em Comunicação Corporativa e RP (INPG, 2011); Extensão em Economia (UFRJ, 2013); Passou por redações de SC, RJ e BH (oalvesj@gmail.com).
1

Crédito: Oi (OIBR3): Juízo do Rio nega nulidades

O consórcio formado por Claro, TIM e Telefônica já está estudando a divisão da base de clientes da operação móvel da (OIBR3), que será vendida pela companhia.

Segundo o Valor, o consórcio já está em contato com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), e trabalha na formatação de uma proposta para repartir a base.

A Oi possuía cerca de 34 milhões de clientes no fim de março.

Simule o rendimento de seus investimentos em Renda Fixa e calcule retorno das aplicações

OI (OIBR3 OIBR4): oferta recebida é corrida com barreiras, diz ex-ministro Juarez Quadros

OIBR3: Anatel

A eventual venda da rede móvel da Oi para o consórcio não deve enfrentar barreiras incontornáveis na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Segundo o Estadão, o entendimento é de que a autarquia dará anuência para a transação.

Desde a última sexta-feira as maiores operadoras do país ganharam exclusividade na disputa pela Oi Móvel, cujo preço mínimo é de R$ 15 bilhões.

OIBR3: rede de fibra ótica

Enquanto segue o processo de venda de sua operação de telefonia móvel, a Oi vem mantendo nos bastidores uma intensa negociação para se desfazer de sua rede de fibra óptica, a InfraCo.

Segundo O Globo, dez sociedades, entre bancos, fundos de investimentos e gigantes de energia já analisaram o ativo, dona de cerca de 400 mil milhas de fibra no país.

E o número de interessados ​​pode aumentar, já que também são esperadas empresas chinesas no processo.

A InfraCo deve ser o último ativo a ser vendido pela Oi. A Lazard é a empresa contratada para fazer uma pesquisa de mercado.

Aérea Latam

A justiça norte-americana deve decidir esta semana qual será a proposta vencedora para um financiamento à Latam no modelo DIP (debtor-in-possession).

De acordo com o Estadão, esse crédito dará à companhia a possibilidade de começar a costurar o plano de reestruturação para seu resgate.

Renault e o PDV

A Renault e o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba chegaram a uma “solução conjunta”, conforme definem as duas partes, para encerrar a greve que completou 20 dias ontem (10).

A empresa abrirá outro Programa de Demissão Voluntária (PDV) com incentivo melhor do que o proposto anteriormente.

Segundo o Estadão, os 747 demitidos há 20 dias serão reintegrados, mas a intenção da empresa é que parte deles aceite o novo PDV.

Riva e Lucio fecham acordo

A Riva – subsidiária da Direcional Engenharia com foco nas rendas média e média-alta – e a incorporadora Lucio fecharam parceria para desenvolver empreendimentos de médio padrão na cidade de São Paulo.

De acordo com o Valor, cada uma terá 50% dos projetos incluídos na joint venture. Por enquanto, o acordo prevê o lançamento de Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 900 milhões.

Em conjunto, Riva e Lucio vão incorporar empreendimentos com preço por unidade de R$ 240 mil a R$ 500 mil e valor por metro quadrado de R$ 7 mil a R$ 11 mil, destinados a famílias com renda mensal de seis a 12 salários mínimos.

Efeito ‘fintwit’ e a Bolsa

A retomada do Ibovespa a níveis pré-crise, o salto de investidores pessoa física na bolsa e a quantidade de papéis que oscilam fortemente após conversas no Twitter alimentam receios de que uma bolha nos preços dos ativos esteja em formação, incentivada pelos juros baixos.

Segundo o Valor, muitos desses estreantes não estão sendo devidamente esclarecidos e estariam dando mais peso às histórias que se contam sobre os negócios ou às dicas sobre ganhos de curto prazo do que aos números das companhias.

A pandemia embaralhou os cenários e é difícil saber ao certo como se sairão as empresas listadas na bolsa após a crise, dizem analistas.

Mas, aparentemente, ela deu coragem a quem estava em casa com tempo livre e um celular a virar investidor de bolsa. O número de pessoas físicas que investem na bolsa este ano aumentou 68%, para 2,8 milhões.

ibovespa-bolsa-mercado

Executivos de grife

Desde que anunciou sua saída do governo, em junho, Mansueto Almeida, ex-secretário do Tesouro, teve uma agenda disputada.

Ele recebeu cerca de 40 propostas de bancos nacionais e estrangeiros, além de gestoras. O anúncio de que ele escolheu como nova casa o BTG Pactual, feito ontem, reforçou a tendência de busca de executivos de “grife” pelo mercado financeiro.

Conforme o Estadão, Mansueto é mais um nome entre uma série de contratações recentes, como a de José Berenguer (ex-JP Morgan) pela XP, e Joaquim Levy (que foi ministro da Fazenda no governo Dilma) pelo Safra.

secretário do Tesouro, Mansueto

O Bradesco e o ranking ambiental

Segunda maior gestora de recursos privados do país, a Bradesco Asset Management (Bram) vai criar um ranking para identificar as empresas de seu portfólio que mais investem de acordo com as melhores práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).

Com R$ 520 bilhões sob gestão, a administradora de recursos do Bradesco tem 260 companhias dentro de seus fundos de investimentos.

Força-tarefa por teto de gastos

O ministério da Economia prepara uma força-tarefa no Congresso em defesa do teto de gastos.

A ideia é apresentar aos deputados e senadores dados que mostrem a atual situação fiscal do país e quais as consequências do abandono do mecanismo neste momento.

Segundo o Estadão, um roadshow (espécie de sessões públicas itinerantes) está sendo preparado, mas as datas, porém, não estão definidas.

Paulo Guedes confirma imposto sobre dividendos em evento financeiro

Guedes e o CPMF

As diferentes medidas prometidas pelo governo sob a condição de que o Congresso aprove um tributo sobre pagamentos demandariam, caso fossem instituídas integralmente, mais do que a arrecadação estimada para o novo imposto.

Segundo a Folha, para serem criadas, todas as iniciativas citadas pelo ministro Paulo Guedes (Economia) e sua equipe consumiriam entre R$ 218 bilhões e R$ 248 bilhões ao ano em recursos.

Coronavírus

De acordo com o consórcio de imprensa formado para cobrir a pandemia do novo coronavírus, os números estão assim no Brasil:

Casos confirmados: 3.057.470
Recuperados: 2.613.812
Mortes: 101.857