OI (OIBR3): Cade pode dificultar venda; veja outros destaques

Osni Alves
Jornalista (2007); Especializado em Comunicação Corporativa e RP (INPG, 2011); Extensão em Economia (UFRJ, 2013); Passou por redações de SC, RJ e BH (oalvesj@gmail.com).
1

Crédito: Divulgação/Oi

Caso TIM, Claro e Vivo sigam em frente com a intenção de comprar uma parte do telefone móvel da Oi, há grandes chances de a operação ser reprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade)

Segundo O Globo, há preocupação com os efeitos na concorrência do setor caso a operação seja realizada.

Além da chance de reprovação, caso a Oi aceite uma oferta de três operadoras, o Cade poderá demorar até um ano para analisar a transação devido à complexidade do assunto.

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

O prazo para análise de atos de concentração no Cade é de 240 dias e pode ser prorrogável por mais de 90, chegando a 330 dias.

A definição de quem vai ficar com uma rede telefônica da Oi pode ser tomada até o dia da assembleia de credores da empresa, que deve ocorrer ainda neste mês.

OI (OIBR3 OIBR4): oferta recebida é corrida com barreiras, diz ex-ministro Juarez Quadros

Negociação ainda não começou

As negociações para compra de fatia da oi (OIBR3) ainda não começaram, visto que as empresas do consórcio – Claro, TIM e Telefônica (dona da Vivo), estão revisando a oferta.

Eles fizeram uma primeira proposta inicial com o valor mínimo estipulado pela Oi, de R$ 15 bilhões, e posteriormente revisaram o montante para R$ 16,5 bilhões.

Ocorre que com a Highline no páreo, o consórcio precisou se reposicionar, informa o Valor.

Multiplan vai bem no celular

A carioca Multiplan está ampliando o alcance da sua plataforma de vendas online de lojistas dos shopping centers da rede.

A partir desta semana, clientes do Park Shopping Barigui, em Curitiba (PR), e do Park Shopping São Caetano, em São Caetano do Sul (SP), podem comprar em qualquer loja dos estabelecimentos, com direito a entrega em até 2 horas, pelo aplicativo Multi, da própria rede.

Segundo o Estadão, a decisão da Multiplan de expandir a cobertura das vendas online foi tomada após a empresa identificar aumento de 2,8 vezes nas transações realizadas pelo aplicativo no segundo trimestre, em comparação com o primeiro trimestre.

O salto foi impulsionado pelo aumento de 8,8 vezes no volume de vendas de itens gerais, como vestuário, acessórios e eletrônicos. Eles representaram 23% das vendas pelo aplicativo no trimestre. O grande destaque ainda são os itens da praça de alimentação, que respondem por 77% dos negócios online.

Engajamento do investidor

O nível de envolvimento de investidores institucionais em empresas investidas no Brasil ainda é maior entre gestores de investimento e participantes internacionais.

O levantamento é da Associação de Investidores do Mercado de Capitais (Amec). “Lá, os fundos de pensão talvez sejam os investidores institucionais que têm o maior engajamento. Aqui no Brasil essa figura é invertida. Como ‘ativos’ estão puxando esse envolvimento”, disse o presidente da Amec, Fábio Coelho. O destaque é do Valor.

BNDES vende participação na Vale por R$ 8 bi

A BNDESPar, braço de participação acionária do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), vendeu ontem um grande bloco de ações da Vale (VALE3) por R$ 8,1 bilhões.

Foi o maior “bloco comercial” (quando um grande conjunto de ações é vendido em uma única operação no mercado) da história da América Latina.

Presidente do BNDES, Gustavo Montezano declarou que a operação foi precedida de R$ 60,26 por ação, mesmo preço do fechamento do dia anterior, conforme o Valor.

REUTERS/Pilar Olivares

Nos trilhos do progresso

Uma expansão da produção de minério de ferro no Brasil, e a diversificação geográfica, a baixa carga de logística ferroviária, fundamental para tornar viável um projeto com escala de milhões de toneladas.

É o caso da Bahia Mineração (Bamin). A empresa aguarda retomada da Ferrovia de Integração Oeste-Leste, em Fiol, que está com obras interrompidas há vários anos.

Segundo o Valor, há uma previsão de ser licitado este ano pelo ministério da Infraestrutura.

Os bancos e os balanços

As ações do setor bancário receberam atenção especial nesta temporada de balanços. Em meio a um cenário que já era desafiador para segmento, com concorrência das fintechs e como discussões sobre aumento de tributos e teto para cobrança de juros, uma crise de coronavírus afetada nos últimos resultados trimestrais.

Assim, faltando apenas a divulgação do balanço do Banco do Brasil, o que acontece na quinta-feira, as ações do setor se mostram descontadas em relação ao restante do Ibovespa.

Cinto aperta para profissionais liberais

A nova etapa da reforma tributária em estudo pelo governo vai modificar o modelo de tributação de profissionais liberais que prestam serviços por meio de empresas e conseguem receber remunerações em forma de lucro livre do pagamento de impostos.

De acordo com o Estadão, escritórios de advocacia, contabilidade, assessoria econômica e de comunicação, que hoje pagam alíquota de 3,65% de PIS/Cofins e distribuem cerca de 85% do que faturam sem pagar impostos, estão se mobilizando contra a proposta de criação da nova Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) e, principalmente, contra a volta da tributação sobre lucros e dividendos (pagamentos que os acionistas recebem pelo lucro gerado).

Levantamento da Folha de S. Paulo informa que o governo estuda cortar alíquota máxima de Imposto de Renda (IR) para 23% a 25% e acabar com deduções.

A intenção é reduzir a alíquota do Imposto de Renda da Pessoa Física de 27,5%, atualmente a maior na tabela da Receita.

Na contramão do mundo

Enquanto o restante dos países pede mais medidas de proteção e preservação ao meio ambiente, o ministério do Meio Ambiente do Brasil quer reduzir a meta oficial de conservação da Amazônia.

Ocorre que a pasta propôs uma redução da meta oficial de conservação da Amazônia, conforme ofício enviado ao ministério da Economia.

Uma área de proteção sugerida pelo ministério representa cerca de um terço da área que foi desmatada na floresta entre agosto de 2018 e julho de 2019.

Naquele período, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o desmatamento na Amazônia foi 976, 2 mil hectares.

Coronavírus

Levantamento do consórcio de imprensa mostrou que até ontem o Brasil tinha:

Casos confirmados: 2.808,076;
Número de recuperados: 1.970,767;
Número de mortes: 96,096.