OI (OIBR4 OIBR3) já tem duas propostas por ativos moveis; ações sobem 14%

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Divulgação/Oi

Ao menos duas ofertas já foram apresentadas pelos ativos de telefonia móvel da Oi (OIBR4 OIBR3), que se encontra em recuperação judicial. Nesta terça-feira, as ações da empresa sobem mais de 14% às 10h40.

No sábado, TIM (TIMP3), Telefônica (VIVT4) e Claro anunciaram ao mercado que fizeram uma oferta conjunta, e se apresentam como “stalking horse” (primeiro proponente). Isto garante, na prática, o direito de preferência para cobrir a melhor oferta apresentada no processo. A oferta seria de R$ 15 bilhões.

Em nota, a Oi esclareceu que recebeu “mais de uma” proposta vinculante, sem especificar ao certo quantas, de quem e os valores respectivos.

Conquiste sua Independência Financeira. Conheça os 4 Pilares para Investir

Em fato relevante, a companhia apenas afirma que recebeu “propostas vinculantes de terceiros pelo ativo móvel da Companhia”. E que “as propostas vinculantes, que foram apresentadas em conexão com o processo de market sounding, já previamente comunicado pela Companhia, são sujeitas a condições normais em processos desta natureza e confirmam o interesse do mercado no seu negócio móvel”.

Oi: segunda oferta seria da Algar Telecom

Segundo a coluna Radar, do Globo, uma segunda intenção de compra teria vindo da Algar Telecom. A operadora mineira, presente em 350 cidades do Brasil, teria um fundo de Singapura por trás da oferta.

Para sair do papel, a venda do negócio necessita, primeiro, de aprovação em assembleia geral de credores. Depois, do Conselho de Defesa Econômica (Cade) e da Anatel.

Somente no Cade, o processo de aprovação da compra pode levar quase um ano para ser finalizado. Isto porque, a partir do dia em que o órgão for notificado, ele tem 240 dias para avaliar a questão. E pode prorrogar a análise por mais 90 dias.