OCDE divulga queda recorde de quase 7% no PIB do G20 no 2º trimestre

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/Internet

Os países que compõem o G20 fecharam o 2º trimestre de 2020 com uma queda histórica no Produto Interno Bruto (PIB), divulgou nesta segunda a OCDE.

De acordo com o relatório publicado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, o bloco composto pelas 20 maiores economias do mundo retraiu 6,9% nos últimos três meses.

“As medidas de contenção da Covid-19 pesaram fortemente sobre a atividade econômica no segundo trimestre de 2020, com quedas sem precedentes no PIB na maioria dos países do G20′”, pontuou o órgão, em seu relatório oficial.

Segundo a OCDE, a dimensão da retração pode ser medida quando comparada ao 1º trimestre de 2009, ano que ficou marcado pela crise econômica global.

Na ocasião, a queda no PIB do G20 foi de apenas 1,6%.

China é exceção à regra e cresce no G20, diz OCDE

Nem todos os países que formam o G20 passaram por apuros econômicos nos últimos três meses.

Segundo a OCDE, a China registrou um crescimento de 11,5% no período, confirmando a rápida recuperação após ter sido o “berço” da pandemia que minou a economia mundial.

A organização destacou também Coreia e Rússia, que fecharam o trimestre com as menores retrações, em 3,2%.

Brasil tem a 8ª maior recessão

Na contramão dos chineses, os países que apresentaram as maiores retrações econômicas no trimestre foram, pela ordem: Índia (-25,2%), Reino Unido (-20,4%), México (-17,1%) e África do Sul (-16,4%).

O Brasil, apesar da queda histórica de 9,7% de seu PIB no período avaliado, ficou somente na 8ª posição entre as maiores retrações entre os países do G20, ao lado da Alemanha.

De acordo com a organização, a recessão mundial pode fechar o ano em dois cenários: em 6%, se a pandemia de coronavírus seguir controlada, ou em 7,6%, caso uma segunda onda da doença avance pelo planeta.

Leia tambémIACE sobe em agosto e se aproxima de níveis pré-pandemia, mostra FGV