O que são as ações ordinárias das empresas? Saiba mais

Bruno Bravo Duarte
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Divulgação

O mercado de ações ganhou força com a globalização e atualmente muitos investidores procuram cada vez a mais a Bolsa de Valores para obter ganhos com títulos de capital. Existem diferentes tipos de ações no mercado. Uma delas são as ações ordinárias (ON). 

O diferencial entre as ON e as demais ações no mercado, como as prerenciais (PN), é a possibilidade de votos em assembleias da companhia. Apesar de ser um estímulo para muitos que buscam esse título, a parceria entre sociedade anônima e investidor contempla apenas os grandes acionistas, que são aqueles que possuem um grande número de títulos em mãos. Na prática, quanto maior for o número de ações ordinárias maior será o peso e a influência no resultado final das decisões de cada assembleia.

Para facilitar o reconhecimento das ações ordinárias no pregão da B3 (B3SA3), aos papéis ON foi atribuído o número 3 (três) que é adicionado ao código de letras de uma determinada empresa, por exemplo, as siglas: NTCO3 (Grupo Natura), PETR3 (Petrobras) VALE3 (Vale) simbolizam os títulos de capital de cada companhia.

Ações ordinárias: como investir?

Para ter acesso as ações ON, o investidor precisa buscar uma corretora que seja registrada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Possuindo uma conta, o investidor poderá fazer a compra por meio do home broker oferecido pela empresa. São vendidos lotes padrão (cada um possui um conjunto de 100 ações) ou no mercado fracionado, onde é possível comprar papéis individuais.

Além de conhecer o mercado, o futuro acionista tem que saber quais são os prós e os contras da empresa na qual ele pretende investir. Vale ressaltar, que ao adquirir ações, o investidor passa a ser sócio da companhia e é preciso saber quais são as regras de governança da S/A.

Para garantir um bom negócio basta buscar as informações listadas nos sites das empresas e a transparência no ambiente virtual é uma norma estabelecida pela Bolsa de Valores e pela CVM.

Os ativos em alta garantem uma maior liquidez no mercado. Um dos principais atrativos oferecidos pelas ações ordinárias é a liberdade para negociar e gerenciar os seus títulos no pregão, onde o investidor tem autonomia para comprar e vender as suas ações. O retorno financeiro das ON são referentes as negociações de títulos e baseados nos lucros obtidos pelas sociedades anônimas.

Como escolher as ações ordinárias?

Cada acionista tem um perfil próprio e para os mais conservadores, que são aqueles que não querem se sujeitar aos riscos e perdas do mercado financeiro, a melhor alternativa são os fundos ou clube de investimentos. Vale lembrar que esta opção tem como objetivo minimizar possíveis prejuízos através de políticas de gestão aperfeiçoadas e através dos custos compartilhados, como valores referentes a administração da corretora.

Para os mais ousados, aqueles que possuem conhecimento sólido em relação as informações das empresas, uma alternativa é investir em ações ordinárias através da B3.

Porém o acionista não terá o apoio e a orientação de um gestor. Nessa opção, é preciso ficar atento às políticas da empresa no Brasil e exterior, já que uma possível queda nas ações irá impactar de maneira negativa nos títulos. Atuar de maneira independente, com pouco conhecimento é a certeza de perdas no mercado financeiro.

Em resumo, é necessário fazer uma análise das empresas e da sua atual situação de mercado. Para saber qual é a liquidez dos ativos nos quais o futuro acionista pretende investir, vale lembrar, que as decisões financeiras precisam ser tomadas de maneira coerente e com metas para obter os melhores resultados.

Vale a pena investir em ações ordinárias?

Em um cenário com a bolsa de valores em alta investir em ações ordinárias pode ser uma boa alternativa, e para obter sucesso, o investidor tem que estudar o mercado e a política vigente das empresas. As ON garantem a decisão de voto no futuro da companhia e todos os acionistas possuem direito a eleição, mas  o grau de participação é proporcional ao número de ações.

Em relação a segurança, as ações ordinárias ficam registradas no nome do investidor e esse tipo de ativo possui um mecanismo intitulado tag along, que tem como objetivo proteger e auxiliar os investidores minoritários caso, aconteça alguma mudança dentro da companhia.

Os títulos de capital são assegurados pela Lei das Sociedades Anônimas. O que garante, um retorno de 80% caso a sociedade anônima seja vendida ou negociada. Aliás no caso de dívidas da empresa, o acionista não é responsabilizado.

Para os que buscam uma alternativa maior de lucro, as ON podem ser uma ótima alternativa, já que as ações ordinárias não possuem valores fixos para lucros e dividendos. Se a companhia apresentar um lucro muito alto, os investidores das ON poderão dividir grande parte do montante, o que garante um retorno financeiro maior do que o oferecido pelas ações preferenciais (PN).

Investir em ações ordinárias tem as suas vantagens como a autonomia, a participação do investidor na vida e administração da empresa através do voto e a garantia tag along que beneficia o acionista a longo prazo, porém existem riscos em relação a esse título de crédito.

O mercado beneficia as ações preferenciais e os que possuem títulos PN serão os primeiros contemplados em dividendos e juros por capital no caso de dissolução da empresa, mas por outro lado os investidores tendem a ter um maior lucro em investimentos a longo prazo por não contarem com taxas fixas.