O que os investidores podem esperar da próxima reunião do Fomc

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

A próxima reunião do Fomc (Federal Open Market Committee), marcada para esta semana, está deixando os investidores em estado de alerta.

Os mercados esperam que o Fed (Federal Reserve, Banco Central dos Estados Unidos) atue como uma força pacificadora, mas as ações podem permanecer agitadas.

Isso pode ocorrer se o Banco Central norte-americano “desapontar” as expectativas e os investidores se concentrarem nas eleições e na recuperação econômica.

A expectativa do mercado sobre o Fomc

A reunião do Fed deve terminar na quarta-feira, com pequenos ajustes em sua declaração e alguma clareza sobre como planeja usar a orientação futura do cenário econômico.

O Fed também atualizará suas perspectivas econômicas e de taxas de juros, incluindo previsões para 2023 pela primeira vez neste ano, em especial após a crise do coronavírus.

Quincy Krosby, estrategista-chefe de investimentos da Prudential Financial, disse à CNBC que o mercado de ações poderia facilmente ficar desapontado, porque o Fed dificilmente oferecerá mais clareza sobre a política monetária, como planos de compra de títulos.

“O mercado está preocupado com o fato de o Fed não nos dar leituras explícitas sobre seus planos de política monetária”, comentou Krosby.

As políticas extraordinárias do Fed têm sido um fator importante por trás do aumento de 50% do mercado de ações desde a baixa de 23 de março, e também é visto como um fator importante que limita a profundidade da liquidação do mercado.

Na visão de Peter Boockvar, diretor de investimentos do Bleakley Advisory Group, disse que o Fed não deve fazer muitos ajustes e continua comprando US$ 80 bilhões por mês em títulos do Tesouro.

“Eu não acho que eles farão nada para os mercados de qualquer maneira”, apostou.

Mercado volátil

As ações estavam voláteis na semana passada, alternando quedas e altas violentas. Isso deixou o S&P 500 em 3.340, com uma queda semanal de cerca de 2,5%, a pior desde junho.

O Nasdaq mais atingido caiu cerca de 4,1% na semana, sua pior queda semanal desde março. O vencimento quádruplo de opções e futuros no final da próxima semana pode aumentar a volatilidade.

Os estrategistas do Bank of America disseram que o mercado de títulos está observando o Fed para quaisquer ajustes de balanço patrimonial e as mudanças em sua orientação futura, que inclui o ajuste recente do Fed em sua política de inflação.

O Fed mudou sua política de focar em uma meta de taxa de inflação para uma taxa média, o que significa que não pode apertar a política se a inflação ultrapassar sua meta de 2%.

“Vemos o risco de que o mercado de taxas não esteja impressionado com a orientação fornecida pelo Fed, que apoiaria taxas de back-end mais altas e uma curva mais íngreme”, observaram os estrategistas do BoFa.

O rendimento de referência do Tesouro de 10 anos caiu na semana passada, chegando a 0,67% na sexta-feira, e pode subir, o que significa que os títulos podem ser vendidos, se o Fed não esclarecer a política em torno de seu programa de compra de títulos.

Krosby disse que o mercado de ações espera um Fed pacificador. “O mercado precisa disso agora porque a política fiscal não vai a lugar nenhum”, disse ela.

O estrategista do BTIG, Julian Emanuel, disse que o mercado poderia se concentrar no fato de que o Congresso não conseguiu avançar no estímulo fiscal, se os dados econômicos começarem a decepcionar.

A reunião do Fed nesta semana é a última antes da eleição, e os analistas esperam que o presidente do Fed, Jerome Powell, pareça disposto a mostrar que o Fed fará o que for necessário para apoiar a economia.

Powell fará um briefing após a reunião de quarta-feira e também deverá ser questionado sobre o potencial de aumento da inflação. O Fed disse que está mais preocupado com a desinflação, mas os dados recentes de inflação têm sido mais quentes do que o esperado, embora ainda bem abaixo de 2%.

“Há um cabo de guerra entre aqueles que dizem comprar chips agora porque a inflação está subindo, e aqueles que dizem que as forças deflacionárias ainda estão abrindo caminho para a economia”, disse Krosby.

Leia tambémOxford reinicia testes da vacina contra Covid-19 após pausa