O que faz um gestor de fundos de investimentos?

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Os fundos de investimento têm atraído cada vez mais brasileiros. O patrimônio líquido dessa indústria passou de R$ 4,6 trilhões em dezembro de 2018 para R$ 5,5 trilhões em junho deste ano.

O número de gestores de fundos acompanhou esse aumento. Passou de 608 para 679 nesse período.

Se os fundos se tornaram uma boa obção de investimento, especialmente em tempos de juros baixos, é importante que os interessados em investir nesse produto financeiro entendam como ele funciona.

Jáe  fizemos um post sobre isso e explicamos tudo neste link:

Agora, queremos dar um passo além e detalhar a função do gestor de fundo de investimento.

Ele é o responsável pela escolha dos ativos que entram e saem do portfólio.

Ou seja, é ele que define quando e quanto comprar ou vender de cada ativo, sempre avaliando as perspectivas de retorno, riscos e liquidez.

Além disso, o gestor precisa obedecer a política de investimento e os objetivos estabelecidos no regulamento do fundo.

Outras funções

O gestor também tem poderes para exercer o direito de voto decorrente dos ativos financeiros detidos pelo fundo.

A função de gestor pode ser exercida pelo próprio administrador do fundo ou por terceiro (pessoa física ou jurídica).

No entanto, para desempenhar o papel é necessário credenciamento na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) como administrador de carteiras.

Vale frisar que o administrador do fundo e os terceiros contratados respondem solidariamente por eventuais prejuízos causados aos cotistas em virtude de condutas contrárias à lei, ao regulamento ou aos atos normativos expedidos pela CVM.

Autorização da CVM

O gestor de fundo de investimentos precisa ter uma autorização especial da CVM para exercer a profissão.

As normas relacionadas à essa exigência estão determinadas na Instrução CVM nº 558/2015.

Caso a empresa administradora siga o código de certificação Anbima, o gestor precisa da  Certificação de Gestores Anbima (CGA) para atuar como gestor profissional.

A CGA é voltada para gestores de ativos, ou seja, o profissional que realiza a gestão de recursos de terceiros. Essa certificação é obrigatória para profissional que deseja ser gestor de fundos de investimentos. Entretanto, para a CVM o reconhecimento é facultativo.

Rotina

No seu dia a dia, o gestor analisa o mercado e perspectivas econômicas em busca de oportunidades e tendências.

Dessa forma, ele seleciona as melhores oportunidades e define os pontos de entrada e saída para cada papel.

O gestor emite as ordens de compra e venda dos títulos, em nome do fundo. Mas a liberdade de escolha depende do tipo de fundo e da política de investimento do mesmo.

Isso porque os fundos podem ser passivos ou ativos. No primeiro caso, o fundo tem o objetivo de replicar o desempenho de um indicador. Dessa forma, ele não possui autonomia para realizar escolhas livremente, devendo-se ater sempre a  investir no índice de referência adotada.

Na gestão ativa, o gestor tem mais liberdade de escolha dos ativos.

Além do gestor

O gestor não é a única função importante que você deve conhecer na estrutura do fundo. Abaixo, listamos as demais:

  • Administrador: pessoa jurídica autorizada pela CVM para definir as políticas de investimento e objetivos do fundo. Também é função do administrador realizar uma série de atividades como a distribuição de cotas, divulgação de informações  e relacionamento com os cotistas.
  • Custodiante: instituições financeiras responsáveis pela “guarda” dos ativos e por efetivar a compra e venda dos papéis.
  • Auditor: é quem vai auditar as demonstrações financeiras do fundo e conferir se tudo está funcionando dentro das regras
  • Distribuidor: são os distribuidores (bancos ou corretoras) quem vendem as cotas aos investidores