O que esperar dos balanços de Carrefour (CRFB3), GPA (PCAR3) e Grupo Mateus (GMAT3)

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação/ Carrefour

A Eleven Research divulgou uma análise sobre as expectativas dos balanços das principais empresas do varejo alimentar: Carrefour (CRFB3), GPA (PCAR3) e Grupo Mateus (GMAT3).

Segundo os analistas, o quarto trimestre de 2020 deve ser de fortes resultados, com um topline avançando dois dígitos, e uma dinâmica de margens ainda favoráveis. Apesar disso, os indicadores de vendas no varejo alimentar devem apresentar uma desaceleração na comparação entre dezembro e novembro de 2020.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

“As empresas de varejo alimentar de nosso universo de cobertura devem encerrar o de 2020 de maneira bastante positiva, com um 4T20 que segue em boa parte as tendências observadas no 3T20 e também no 2T20. Superando os temores de que com a redução e posterior fim do auxílio emergencial as vendas deste segmento fossem prejudicadas, tanto PCAR3, CRFB3 e GMAT3 devem apresentar fortes resultados no trimestre”, destaca a Eleven.

Como se pode observar, durante o ano de 2020, à exceção dos meses de janeiro e novembro e de acordo com as informações da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do IBGE, em todos os meses do ano os supermercados apresentaram crescimento de receita a/a.

Ainda assim, as altas tanto em outubro como em dezembro devem contribuir positivamente para os resultados do setor.

Digitalização a todo vapor

De acordo com a Eleven, a digitalização das vendas do varejo alimentar também segue em uma tendência de alta, e neste sentido enxergamos o GPA como player melhor posicionado, com a operação on-line.

O Carrefour também conta com uma operação bastante robusta baseada em parcerias com os principais agregadores do segmento como Rappi e Cornershop.

Já o Grupo Mateus, ainda está em estágio mais incipiente das vendas digitais, que primariamente são realizadas através de seu site e mais focada em itens não alimentares.

Além da divulgação de resultados, outro evento bastante esperado é o spin-off do Assaí, operação de cash & carry do GPA, que está previsto para ocorrer ainda durante o 1T21.

Recomendações

A Eleven alterar a recomendação de PCAR3 para compra, com preço-alvo de R$115,00, “pois enxergamos uma interessante oportunidade de se posicionar no Assaí e capturar os benefícios da operação Multivarejo + Éxito que tem mostrado bons sinais de recuperação de desempenho, além de contarem com operações digitais bastante diferenciadas entre os pares”.

Para o Grupo Mateus a recomendação também é de compra e preço-alvo de R$ 14,00, dada sua força regional e grande potencial de consolidação do mercado nas regiões em que atua.

Por fim, para o Carrefour a recomendação permanece neutra, com preço-alvo de R$ 25,00, “uma vez que enxergamos um cenário de menor potencial quando comparado às demais empresas do setor”, analisa a Eleven.

Ações ficaram estáveis

Apesar dos bons resultados apresentados pelas três grandes varejistas alimentares ao longo do ano de 2020, a performance de suas ações não correspondeu aos resultados entregues, ficando estáveis quando comparadas ao início do ano.

Segundo a Eleven, mesmo a estreante Grupo Mateus viu o valor de suas ações cair desde o IPO, apesar de ter demonstrado fortes resultados no 3T20, com crescimento muito superior ao observado em seus pares.

As ações do GPA foram as que demonstraram maior recuperação em seu valor durante o ano, principalmente após o anúncio do spin-off do Assaí.

Ainda assim, quando se observa os múltiplos aos quais a empresa negocia, há um desconto significativo em relação ao seu principal peer, Carrefour Brasil, de cerca de 33% no múltiplo de EV/Receita 2021E e 13% no múltiplo de EV/Ebitda 2021E, o que corrobora também a recomendação de compra para o papel.

Por fim, as ações do Carrefour Brasil foram as mais pressionadas durante o ano, algo que reflete tanto os resultados pressionados da operação do Banco Carrefour no 3T20.

Pontos de atenção para 2021

Os analistas da Eleven consideram que parte das tendências positivas para o varejo alimentar observadas no ano passado se mantenha em 2021, como a adoção do home-office e consequente manutenção de um maior consumo de alimentação no lar.

“Além disso, esperamos a continuidade das tendências de crescimento do modelo de cash & carry país afora, com os consumidores passando a perceber os benefícios do modelo, bem como as melhorias na experiência de compra deste modelo, que passou a focar também nos consumidores individuais”.

Ainda assim, a Eleven considera que existem pontos de atenção para o segmento, dentre os quais se destaca o auxílio emergencial reduzido ou inexistente e a inflação alimentar crescente.

Análises de Carrefour, GPA e Grupo Mateus

Carrefour Brasil (CRBF3)

No formato de cash & carry, a bandeira Atacadão segue a tendência de crescimento observada nos trimestres anteriores, porém nesse trimestre com uma leve pressão nas margens Bruta e Ebitda. No formato hipermercado houve crescimento das categorias alimentar e não alimentar, ainda que o e-commerce não alimentar tenha reduzido o ritmo de crescimento. O banco volta a apresentar crescimento no faturamento, mas com margens ainda pressionadas por conta do provisionamento e deve apresentar resultado semelhante ao 2T20.

GPA (PCAR3)

Seguindo a tendência apresentadas durante o 3T20, a companhia deve seguir com forte crescimento tanto no Multivarejo como no cash & carry, sob a bandeira Assaí, e no Éxito. Para o Multivarejo é esperada a continuidade sequencial de melhoria de margens. No Assaí, ainda que a margem bruta deva vir estável a/a, o elevado crescimento de receitas deve permitir que mesmo diante da abertura de novas lojas a divisão entregue uma expansão de margem Ebitda entre 20 e 30 bps. Cabe lembrar que o 4T20 do GPA deve ser positivamente beneficiado por créditos fiscais de ICMS sobre PIS e Cofins de cerca de R$ 1 bilhão.

Grupo Mateus (GMAT3)

Por não haver os resultados do 4T19 comparáveis aos números pós-IPO, a Eleven fez as comparações de crescimento e margens em relação ao 3T20. Assim como as demais empresas do setor, o Grupo Mateus deve apresentar a manutenção da tendência de forte crescimento apresentado durante o 3T20, sendo que o crescimento t/t deve ser da ordem de 8% na receita bruta. O crescimento de receita a/a seria superior a 50%. Com relação à margem bruta, espera-se uma melhora sequencial vs. o 3T20. Já a margem Ebitda e margem líquida devem ser um pouco pressionadas pela concentração de aberturas de lojas no 4T20.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo