O que é o risco de liquidez? Aprenda a se planejar

Victor Meira
Com formação em Ciências Sociais e Jornalismo, experiência em redação nas editorias de esportes, empregos, concursos, economia e política.

Crédito: Pixabay

As grandes crises econômicas na história têm um fato em comum, a falta de liquidez no mercado. Você sabe o que é ela? Resumindo, a liquidez é a capacidade de transformar um bem ou ativo em dinheiro. 

Esse conceito parece bem simples, mas como estamos falando sobre o mercado financeiro, ele tem as suas complexidades. Popularmente, quando temos um bem e queremos vendê-lo, estipulamos um preço e desejamos receber um valor próximo do preço pedido. Porém, no mundo dos investimentos essa operação não é tão simples assim. 

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

O risco de liquidez é a probabilidade de não receber o dinheiro de forma rápida e com o valor desejado.

Desta forma, para minimizar o risco de liquidez, o investidor deve se organizar e, principalmente, analisar os prazos oferecidos pelas corretoras ou bancos de investimentos. 

Como funciona a liquidez nos investimentos

O risco de liquidez é a frustração de não receber o dinheiro dentro de um determinado prazo. Contudo, há classificação para indicar o nível de liquidez nos investimentos: alta ou baixa. 

O investimento com alta liquidez é aquele em que a pessoa pode fazer o resgate qualquer momento sem grandes dificuldades. As opções com alta liquidez são a poupança, CDI e algumas opções do Tesouro Direto, seja Selic ou IPCA.

Já os investimentos com baixa liquidez são aqueles que têm um prazo maior para resgate ou o investidor terá maiores dificuldades de ter o dinheiro de volta.

Além disso, há possibilidade do dinheiro ficar “preso” até o vencimento da opção acordada. Dentre os investimentos de baixa liquidez podemos citar as opções de renda fixa pré-fixadas, fundos multimercados e fundos de investimento.

Como entender o risco de liquidez

Para entender melhor o risco de liquidez é preciso ficar atento a três fatores: carência, vencimento e prazo de resgate.

Carência: é o período em que você não poderá movimentar o seu dinheiro;

Vencimento: é o período que você deve deixar o dinheiro investido para ter o rendimento prometido na compra;

Prazo de resgate: é o período mínimo para solicitar o resgate do investimento.

Vale ressaltar que quanto maior forem os prazos, menor é a liquidez do investimento. Todavia, isso não significa que aplicar o dinheiro em investimentos de baixa liquidez seja uma má ideia. Pelo contrário, estes ativos tendem a ter rendimentos maiores e até acima da média. 

Diante disso, é importante compreender qual é a sua necessidade no momento. Quer formar uma reserva de emergência? O ideal é aplicar o dinheiro em opções de alta liquidez. Se o objetivo é pensar no longo prazo e não precisa de forma urgente, pense em investimentos com baixa liquidez, pois eles tendem a ter uma rentabilidade maior do que as outras opções.