O que é a “Regra de Volcker” e como sua transformação poderia facilitar a próxima crise econômica global

“Isto é um desastre”, era uma frase repetida em meio a grande crise global de 2008.

Mayron Cimardi
Eu Quero InvestirColaborador do
Paul Volcker

Crédito: Paul Volcker

Quando passou o pânico inicial, a pergunta óbvia que muitos fizeram foi: O que poderia ser feito para que isto não ocorra novamente? Ou ao menos, para seu impacto ser menos catastrófico.

Nos Estados Unidos, onde as hipotecas tóxicas desencadearam a crise e posteriormente a recessão, foram aprovadas várias regulamentações com o fim de evitar que os bancos seguissem fazendo investimentos especulativos de alto risco.

Paul Volcker

Paul Volcker

Uma dela, aprovada durante o governo Obama, é a “Regra de Volcker”, em fererência a Paul Volcker, ex-presidente do Federal Reserve (FED).

A norma foi criada para restringir a capacidade dos grandes bancos fazerem apostas utilizando depósitos garantidos e outros tipos de fundos que eram vendidos aos seus clientes.

Por outro lado, a regulação limita os investimentos dos bancos em fundos de cobertura e empresas de capital privado.

Em resumo, isso força os especialistas em risco a seguir as precauções necessárias para amortecer uma possível queda.

Mais simples ou mais arriscado?

A polêmica começou no final de maio, quando o FED propôs afrouxar os limites desta emblemática regra, despertando a suspeita de analistas que veem a ideia como um primeiro passo para uma maior desregulamentação bancária.

Qualquer enfraquecimento da regra resultará em bancos empurrando os limites novamente, jogarão no sistema e aumentarão suas operações perigosas disse Dennis Kelleher – presidente e diretor executivo da organização independente Better Markets, de Washington.

O FED argumenta que as mudança buscam “simplificar e melhorar” o padrão, para que o seu cumprimento seja mais simples, sem colocar em risco o setor.

Nosso objetivo é repensar os requisitos excessivamente complexo e ineficiente por um mais racional disse o presidente do FED – Jerome Powell.

“As empresas que negociam quantidades mais modestas terão menos exigências”, completou.

Quais são as principais mudanças?

A mudança visa dividir os bancos em três categorias.

Aqueles que possuem ativos e passivos de negociação de ao menos 10 milhões de dólares necessitariam cumprir as regras mais restritas.

Os que possuem ativos e passivos entre 1 e 10 milhões, estariam sujeitos “requisitos de conformidade reduzidos e uma abordagem mais personalizada”.

E as entidades com menos de 1 milhão, não teriam que cumprir nenhuma regra.

Por outro lado, a reforma facilitaria a participação de bancos em transações entre clientes , permitindo que eles atuem como compradores ou vendedores de curto prazo do dinheiro que é trocado entre terceiros.

A proposta também diminui as informações comerciais que os bancos devem entregar aos reguladores.

O risco de uma nova crise global

“Sob a revisão proposta pelo FED, os bancos estabeleceriam seus próprios limites de risco e determinariam se suas transações obedeceriam às regras”, publicou o New York Times.

“Há uma expressão que diz que a hora de consertar um vazamento na cobertura é quando o sol brilha. E nossa economia está, se não brilhando, ao menos ensolarada. O medo é quando se trata do nosso sistema financeiro, pois o congresso e os reguladores estão perdendo as telhas”, acrescentou.

O texto representa o medo de vários economistas e organizações que preferem deixar a norma em vigor sem mudanças, mesmo que isso cause algumas dificuldades de implementação.

Macrus Stanley, representante da Americans For Financial Reform, uma organização sem fins lucrativos que defende mudanças no sistema financeiro, disse que as modificações da “Regra de Volcker” podem provocar uma crise econômica global.

“As mudanças permitirão que os grandes bancos americanos desenvolvam estoques de inventários maiores de atividades comerciais, tendo um papel mais ativo no mercado de capitais.”

“Atividades similares foram realizadas antes da crise de 2008 e contribuíram para a queda da economia global.”, agrega Santley.

Mark Zandi, economista chefe da Moody’s Analytics, expert em macroeconomia, mercados financeiros e políticas públicas disse que as mudanças são positivas.

As mudanças “melhorarão a liquidez dos mercados e reduzirão a possibilidade de uma nova crise ou diminuirá sua gravidade.”

Um dos resultados da regra, disse Zandi, é que “as transações dos mercados diminuíram, deixando-os com menor liquidez e mais expostos a grandes movimentos de preços”, agrega.

No entanto, economistas dizem que os reguladores devem assegurar que as grandes instituições financeiras sejam “bem capitalizadas”.

A proposta do FED para mudar esta regra está atualmente em processo de consulta pública e se estenderá até o final de Julho.

E caso a mudança ocorra, previsões sugerem que as modificações ocorreriam no segundo semestre deste ano.

Fonte: Qué es la “Regla de Volcker” y cómo su transformación podría facilitar la próxima crisis económica global