Nova modalidade de saque do FGTS pode turbinar crédito consignado privado

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Previsto para ser lançado a partir de abril deste ano, o saque-aniversário, nova modalidade do FGTS, pode turbinar o crédito consignado (com desconto em folha) para os trabalhadores do setor privado.

A Agência Brasil revelou nesta sexta-feira (10), que a expectativa divulgada pela Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia é de que o uso chegue até R$ 100 bilhões em recebíveis de crédito nos próximos quatro anos.

A lei que criou o saque-aniversário permite ao trabalhador usar o dinheiro sacado a cada ano como garantia em operações de crédito.

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

“Como os recebíveis de saque-aniversário são uma garantia com risco zero, à medida que é possível uma substituição de crédito de risco elevado por crédito com risco zero, os juros cobrados serão menores, logo, há a tendência de expansão significativa de crédito estimulando a economia. Ademais, os juros cobrados nessa modalidade deverão ser inferiores a todas as outras opções no mercado”, explicou a SPE em nota.

Pelas previsões da Secretaria, em um cenário no qual ocorra a substituição de 50% do crédito pessoal não consignado pelo crédito com recebíveis do FGTS, o crédito pessoal consignado saltaria dos atuais 0,32% do Produto Interno Bruto para 1,24% do PIB em até quatro anos, com os juros médios do crédito pessoal total caindo de 2,77% para 2,14% ao mês.

Um outro possível cenário, considerando não apenas a substituição de 50% do crédito, mas também a expansão do crédito pessoal total, faria com que o volume de crédito pessoal consignado saltasse para 1,72% do PIB no mesmo período, volume 5,37 vezes maior que o atual.