Netanyahu, primeiro-ministro de Israel é indiciado em processo por corrupção

Daniele Andrade
Jornalista formada pela Universidade Positivo, pós-graduada em Mídias Digitais. Atualmente cursa bacharel em História. Gosta de produzir reportagens sobre política tanto nacional quanto internacional, economia e tecnologia.
1

Crédito: Reprodução / Wikimedia Commons

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel foi formalmente indiciado por acusações de corrupção, na terça-feira (28). Segundo informações da Reuters, as acusações vieram após a desistência de Netanyahu de solicitar imunidade parlamentar. O que torna quase certo o julgamento criminal.

O primeiro-ministro israelense, tem 70 anos e atualmente está de visita a Washington, para reuniões com Donald Trump. O objetivo do encontro é o lançamento do plano de paz entre Israel e a Autoridade Palestina. No qual os palestinos já demonstraram rejeição.

Benny Gantz, ex-general centrista e principal rival de Netanyahu comentou sobre a notícia no twitter: “Os cidadãos de Israel têm uma escolha clara: um primeiro-ministro que trabalha para eles ou um primeiro-ministro ocupado consigo mesmo. Ninguém pode administrar o país e, paralelamente, administrar três casos criminais graves”.

Aprenda hoje a investir em Small Caps e encontre as oportunidades escondidas na Bolsa.

A suspeita sobre Netanyahu é de aceitar indevidamente US$ 264 mil (cerca de R$ 1,1 milhão) em presentes. Os quais incluíam desde charutos e champanhe, a distribuição de favores em ofertas para uma cobertura por um site de notícias. Se condenado por suborno, Netanyahu pode permanecer até 10 anos na prisão. Com o prazo máximo de 3 anos, devido a fraude e quebra de confiança conforme informações da Reuters.