Natura (NTCO3) reverte prejuízo do 4TRI19 e lucra R$ 175,7 mi

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Divulgação

A Natura (NTCO3) reportou lucro líquido consolidado de R$ 175,7 milhões no quarto trimestre de 2020. No critério atribuído aos acionistas controladores o lucro foi de R$ 177,4 milhões.

Há um ano a companhia havia registrado um prejuízo de 176,1 milhões.

No acumulado de 2020, a Natura registrou um prejuízo liquido de R$ 663,7 milhões ante um lucro de R$ 173 milhões em 2019.

Não Perca! Começa hoje o evento que vai transformar sua visão sobre Fundos de Investimento Imobiliário

As despesas financeiras líquidas foram de R$ 248,9 milhões no quarto trimestre, uma redução de 36,2% em relação ao mesmo período de 2019, dado principalmente pelo pré-pagamento dos títulos da Avon com vencimento em 2022, no valor principal de US$ 900 milhões

Ebitda salta 21,3%

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) reportado no quarto trimestre somou R$ 1,254 bilhão (margem de 10,5%).

Os números refletem uma alta de 21,3% sobre o mesmo período de 2019.

No ano, o Ebitda foi de R$ 3,5 bilhões, com margem de 9,5%.

Receita avança 50%

A receita líquida consolidada da Natura atingiu R$ 12,0 bilhões no quarto trimestre, alta de 24,3% em relação ao mesmo trimestre de 2019.

Segundo a companhia o resultado foi influenciado pelo continuado crescimento das vendas digitais em todas as marcas, superando significativamente o mercado global.

Em 2020, a receita líquida atingiu R$ 36,9 bilhões, um aumento de 12,1% sobre 2019.

A receita líquida de Natura &Co América Latina aumentou 20,5% no trimestre, impulsionada pelo forte crescimento de 24,7% da marca Natura (+16,2% no Brasil, +44,5% América Hispânica), enquanto a marca Avon subiu 16,2% (+4,9% no Brasil, +23,9% na América Hispânica).

Caixa e endividamento da Natura

A companhia encerrou o trimestre com uma forte posição de caixa de R$ 8,3 bilhões (R$ 5,8 bilhões em caixa e R$ 2,5 bilhões em investimentos de curto prazo), após o pré-pagamento em novembro de US$ 900 milhões em títulos da Avon com vencimento em 2022.

Segundo a Natura, o saldo de caixa está em linha com as projeções e bastante acima dos limites mínimos.

A dívida líquida consolidada de Natura &Co Holding sobre o Ebitda ficou em 0,97 x no quarto trimestre, significativamente abaixo de 2,17 x no quarto trimestre de 2019.

Confira os principais destaques financeiros do balanço da Natura (NTCO3):