Bolsonaro nega que tenha falado da PF em vídeo: “vão cair do cavalo”

Marcelo Hailer Sanchez
Jornalista, Doutor em Ciências Sociais (PUC-SP) e Mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP). Pesquisador em Inanna (NIP-PUC-SP). Trabalhei nas redações do Mix Brasil, Revista Junior, Revista A Capa e Revista Fórum. Também tenho trabalhos publicados no Observatório da Imprensa e revista Caros Amigos. Sou co-autor do livro "O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente" (AnnaBlume).
1

Crédito: O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa no Palácio da Alvorada

Em coletiva realizada na manha desta quarta-feira (13), em frente ao Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro conversou com a imprensa e afirmou que não cita a PF no vídeo.

“Tudo que trata do inquérito está liberado (para divulgação). Eu não falo da Polícia Federal no vídeo. Vão cair do cavalo’, declarou Bolsonaro.

“São mentiras, eu não falo nada. O Valeixo (ex-diretor da PF) disse que eu não houve interferência.”

Ao criticar o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, Bolsonaro afirmou que Moro também não confirma que ele teria citado a PF.

“O Moro disse que eu ‘teria falado’ da PF. Por que ele não afirmou que eu falei?”, questionou o presidente.

Cloroquina e Teich

O presidente também foi questionado sobre o uso da cloroquina e, ao responder, voltou a defender o uso da medicação.

“Eu defendo o uso da cloroquina em todos os níveis enquanto não tivermos uma vacina”, disse. Além disso, Bolsonaro afirmou que o uso em casos urgentes “não serve para nada”.

Além disso, o presidente disse que discutir com Teich o uso no SUS. “Esse não é meu entendimento, mas de vários médicos, que defendem o uso da cloroquina. Isso vai ser discutido com o ministro”.

Quando questionado sobre as declarações do ministro da Saúde, Nelson Teich, favorável ao lockdown, Bolsonaro afirmou que vai alinhar com o responsável pela pasta.

“Todos os ministros têm de estar alinhados comigo. E eu quero eficácia”, respondeu Bolsonaro.

Por fim, o presidente voltou a atacar o governador de São Paulo, João Doria, e o médico David Uip.

“O David Uip não revelou que usou a cloroquina. Olha o caráter das pessoas que estão com o governador Doria”, criticou o presidente.