Mundo precisa se preparar para “refugiados climáticos”, alerta ONU

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação / WEF20

O mundo precisa se preparar para acolher milhões de “refugiados climáticos”. Esse foi o alerta de Filippo Grandi, comissário da Organização das Nações Unidas (ONU), durante o Fórum Econômico Mundial que está sendo realizado em Davos, na Suíça.

De acordo com Grandi, aqueles que fogem de mudanças climáticas precisam ser tratados pelos países nos quais buscam abrigo como refugiados.

“A decisão diz que se você tem uma ameaça imediata à sua vida devido à mudança climática, por emergência climática, e se você cruzar a fronteira e for para outro país, não deverá ser enviado de volta, porque estaria em risco de vida, como em uma guerra ou em uma situação de perseguição”, declarou, à Agência Reuters.

BDRs. Alternativas para investir no exterior diretamente da bolsa brasileira

“Precisamos estar preparados para uma grande onda de pessoas se movendo contra sua vontade. Eu não ousaria falar sobre números específicos, é muito especulativo, mas certamente estamos falando de milhões aqui”, completou o comissário.

Entre os fatores que contribuem para o aumento dos “refugiados climáticos” estão os incêndios de grandes proporções na Austrália, o aumento do nível do mar que afeta ilhas baixas, a destruição de colheitas e gado na África subsaariana e as inundações em todo o mundo.

O Acnur, agência de refugiados da ONU, trabalha há 70 anos para ajudar os países mais pobres em consequência de conflitos, mas as mudanças climáticas mais drásticas podem transformar os países mais ricos em uma fonte crescente de refugiados.

“É mais uma prova de que os movimentos de refugiados e a questão mais ampla da migração de populações… são um desafio global que não pode ser confinado a alguns países”, concluiu.