Multimercados potencializam a indústria de fundos de investimentos

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.

Crédito: Imagem - (Reprodução- blog do rico)

Dos R$ 228 bilhões de captação líquida que a indústria de fundos de investimento acumulou ao longo do ano, os fundos multimercados foram os maiores responsáveis por encorpar a cifra. No total, os multimercados movimentaram R$ 62,7 bilhões (27,5% do total), de acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), no período que vai de janeiro a outubro.

Esse movimento ocorreu porque os fundos multimercados são a porta de entrada para os investidores que desejam arriscar um pouco mais. Ou seja, fundos dessa classe são compostos por uma parte em renda fixa e a outra parte em renda variável.

Com cenário de juros baixos, os investidores estão à procura de opções mais rentáveis que a renda fixa tradicional. Assim, os fundos multimercados são uma alternativa bem atraente para quem busca maior rentabilidade com risco moderado.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Entretanto, o investimento nesse tipo de ativo requer cautela. O mercado está em alta, mas o jogo pode mudar a qualquer momento. É necessário estar ciente sobre os riscos associados à aplicação em fundos multimercados.

Custos embutidos em fundos multimercados

Para aplicar nesse tipo de ativo é necessário levar em conta custos como impostos, taxa de administração e taxa de performance. A taxa de administração costuma variar entre 1% a 2% ao ano. Já a taxa de performance é atrelada a algum benchmark, como CDI. Do excedente, são cobrados 20% da sua rentabilidade.

Semestralmente, acontece o come-cotas nos fundos multimercados. Evento marcado para o recolhimento de imposto de renda sobre os rendimentos auferidos, sempre em maio e novembro. A tributação pode variar entre 15% a 22,5%, dependendo do prazo de permanência no fundo.

Além do IR, se o investidor ficar menos de 30 dias na aplicação, deverá pagar imposto sobre operações financeiras (IOF).

LEIA MAIS:

Tesouro Nacional realiza captação de recursos no exterior

Em meio à crise, governo anuncia pacote de reformas