Mulheres na política ocupam 25% nos Parlamentos do mundo

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom

As mulheres estão mostrando sua força na política. Elas ocupam atualmente um quarto dos assentos dos Parlamentos nacionais ao redor do mundo.

Segundo relatório da União Interparlamentar (UPI), o continente americano é o que mais se destaca no avanço das mulheres dentro da política.

No total, 31,3% dos assentos nos Parlamentos das Américas são ocupadas por representantes do sexo feminino. Na Europa, o número é de 30%.

Conheça planilha que irá te ajudar em análises para escolha do melhor Fundo Imobiliário em 2021

Mulheres no Brasil ainda “engatinham”

Os dados da UPI, que foi fundada em 1899, mostram que o Brasil ainda está engatinhando quando o assunto é a presença feminina em altos postos da política.

O País tem apenas 14,8% de deputadas e, no Senado, o número de integrantes do sexo feminino é ainda mais baixo: 13,6%.

O relatório apontou que, há 25 anos, o percentual ocupado por mulheres no mundo era de 11,3%.

Segundo Martin Chungong, secretário-geral da UPI, a meta é atingir em breve a paridade em todos os continentes.

Quatro países já alcançaram paridade absoluta no quesito: Cuba, Bolívia, Ruanda e Emirados Árabes têm o parlamento dividido 50 a 50 entre homens e mulheres.

Por outro lado, três países não contam com representação feminina em seus parlamentos: Micronésia, Papua Nova Guiné e Vanuatu.

Mulheres comandam controle dos planos de finanças familiares