Mudanças climáticas: pela primeira vez na história, Antártica registra temperatura acima dos 20ºC

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor

Crédito: Nasa/John Sonntag via BBC

Menos de uma semana depois que a Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou o registro de temperatura recorde no continente antártico, de 18,3ºC, a marca foi batida. Agora, são 20,7ºC a mais alta temperatura na Antártica. Pela primeira vez na história, o continente afere uma temperatura acima de 20ºC.

O recorde anterior havia sido medido ao meio-dia de 7 de fevereiro de 2020, na estação Esperanza, da Argentina. Ela fica a 100 quilômetros da estação brasileira. O anterior a esse era de 25 de março de 2015, 17,5 graus.

Os 20,7ºC foram alcançados dia 9 de fevereiro, na na ilha Seymour, por cientistas brasileiros do Terrantar, projeto nacional que é responsável por monitorar as consequências da mudança climática global em 23 locais do continente. Estima-se que a Península Antártica aqueceu três graus nos últimos 50 anos.

O recorde ainda precisa ser confirmado pela OMM.

Temor

Essa contínua quebra de recordes de altas temperaturas no continente gelado, aumenta o temor sobre as mudanças climáticas no maior repositório de gelo do mundo.

O pesquisador e professor da Universidade Federal de Viçosa, Carlos Schaefer, um dos responsáveis pelo Terrantar, disse ao jornal britânico The Guardian que, por mais que o aquecimento local seja preocupante por si só, “essa temperatura assusta por ser algo nunca visto antes em uma região gelada”. “Anormal” foi um dos adjetivos utilizados para classificar o registro.

De acordo com Schaefer, a temperatura na península, nas Ilhas Shetland do Sul e no arquipélago de James Ross, do qual Seymour faz parte, tem estado irregular nos últimos 20 anos. Após o resfriamento na primeira década deste século, vem aquecendo rapidamente.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Os cientistas apontam como as correntes marítimas mais quentes um dos motivos para essa anormalidade. O estudo deles diz que “temos mudanças climáticas na atmosfera, que estão intimamente relacionadas às mudanças no permafrost e no oceano. A coisa toda está muito inter-relacionada”.

Àqueles que acham que isso é natural no verão, os cientistas afirmam que as temperaturas no inverno também estão aumentando e com rapidez.

Exemplos práticos

Com altura equivalente a um prédio de 40 andares e área equivalente à do Distrito Federal, o iceberg chamado de A68 se desprendeu da Antártica em 2017 e está prestes a chegar em mar aberto, próximo ao limite do Círculo Polar Antártico, e chegar ao Oceano Austral. Ele pesa 1 trilhão de toneladas, 150 quilômetros de comprimento e com 5,8 mil km².

O A68 surpreendeu a comunidade científica pelo tamanho e pela velocidade com que se desprendeu da plataforma Larsen C, na Península Antártica, o que fez pesquisadores levantarem a hipótese de que as mudanças climáticas globais teriam acelerado o processo.

A Península Antártica é a mais próxima do sul da América do Sul, à Terra do Fogo.

Em agosto de 2019, uma plataforma de gelo chamada Amery, a terceira maior da Antártica, desprendeu um iceberg um pouco maior do que a cidade de São Paulo, com uma área de 1.636 km².

O bloco de gelo foi chamado de D28 e é o maior produzido pela plataforma nas últimas cinco décadas. Ele está vagando ao sabor das correntes e derretendo – embora vá levar anos para derreter totalmente. Nesse caso, os cientistas divergem sobre se a causa é de fato o aquecimento global ou se é um acontecimento natural.

Outro dado alarmante é que a temperatura média dos oceanos subiu pelo terceiro ano seguido, e bateu novo recorde em 2019. As águas estão 0,075ºC mais quentes. Com isso, a temperatura subiu 450% nos últimos 60 anos, levando a uma elevação de 46 milímetros no nível do mar.

O COP25, Conferência do Clima da ONU, realizada recentemente em Madri, foi praticamente toda voltada a se aprofundar nas mudanças climáticas, mas sem efeitos práticos ainda, em termos de negociações, o que o Greenpeace chamou de “resultado totalmente inaceitável”.

Em seu Relatório Global de Riscos, publicado logo após Davos, o Fórum Econômico Mundial de 2020 afirma que pela primeira vez, desde que se começou a publicar o documento, todos os “principais riscos de longo prazo” para a economia são ambientais.

“As mudanças climáticas são uma ameaça muito real e séria para a sociedade”, afirma Alison Martin, membro do grupo de serviços financeiros Zurich Insurance Group, que ajudou a compilar a publicação, em colaboração com a empresa de consultoria Marsh & McLennan e várias universidades de renome de todo o mundo.

“Os impactos de curto prazo das mudanças climáticas acarretam uma emergência planetária que incluirá perda de vidas, tensões sociais e geopolíticas, assim como impactos econômicos negativos”, diz o relatório.

A cada revés do clima, causado pelo desequilíbrio climático, o custo é cada vez mais alto: são vidas, trabalhadores, recursos materiais que precisam ser repostos e consequente impacto nas contas públicas de cada país.

As informações são de O Globo e da Exame.


Aproveite as oportunidades e aumente a rentabilidade dos seus investimentos.

Preencha seus dados abaixo e conte com especialistas para ajudar.

Se preferir, ligue direto para 4007-2374