MP que suspendia salários teve erro de digitação, diz Guedes

Osni Alves
Jornalista desde 2007. Passou por redações e empresas de comunicação em SC, RJ e MG. E-mail: oalvesj@gmail.com.
1

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na tarde desta segunda-feira (23) que “houve erro de digitação na medida provisória 927.”

O documento que permitia a suspensão de salários por até quatro meses foi protocolada pelo presidente Bolsonaro nesta madrugada e teve um artigo revogado à tarde.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Além disso, segundo Guedes, haveria uma segunda MP com medidas compensatórias para os trabalhadores. Ele falou ao jornal O Globo.

De acordo com a equipe econômica, a primeira MP iria flexibilizar o setor e a segunda traria em suas alíneas todo o pacote financeiro de compensação.

Isso porque questões orçamentárias inviabilizaram que o crédito de R$ 10 bilhões constasse na primeira MP, conforme Guedes. Assim, houve necessidade de editar uma segunda.

Segundo o ministro, a segunda demorou a sair devido à checagem da parte orçamentária pela equipe econômica.

ministro-paulo-guedes-economia-brasil

Revoltou o Congresso

A proposta revoltou deputados e senadores. Presidente da Câmara, Rodrigo Maia chegou a chamar a medida de capenga.

A pressão vinda das ruas e do Congresso obrigou o presidente Bolsonaro a recuar.

Escritório de contabilidade consultado pelo EuQueroInvestir.com disse à reportagem que passou parte do dia consultando a viabilidade do projeto, a pedido de clientes empregadores.

Assim que o presidente revogou o artigo, as ligações pararam.

“Estou apanhando muito”

Ao jornal O Estado de S. Paulo, o ministro Paulo Guedes disse que a ordem do presidente foi: “tira isso daí, porque estou apanhando muito”, em referência ao artigo da medida 927.

Para Guedes, a reação do presidente foi “politicamente certa.”