Moro garante que fica no governo e promete “lealdade” ao presidente Bolsonaro

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Reprodução/Facebook

Convidado especial do Programa Pânico, da Rádio Jovem Pan, Sérgio Moro, ministro da Justiça, deu uma entrevista bastante esclarecedora nesta segunda-feira (27).

Moro assegurou que não deixará seu cargo no governo e adiantou também que não pretende ser candidato à Presidência da República em 2022.

De acordo com o ministro, sua participação nas eleições presidenciais será o de apoio total e irrestrito a Jair Bolsonaro, “por questão de lealdade”.

Moro também não quis prolongar o debate sobre a possibilidade de o Ministério da Justiça ser desmembrado em dois, o que lhe tiraria alguns poderes.

De acordo com o entrevistado, essa decisão “não seria uma boa ideia, pois os ministérios, juntos, são mais fortes”.

Moro ainda afirmou que o assunto foi dado como encerrado a partir do momento em que o presidente da República afirmou que “a chance é zero” desse desmembramento acontecer em um futuro próximo.

STF

A possibilidade de ser indicado por Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal, no entanto, é simpática ao ministro.

Moro rotulou de “perspectiva interessante” a possibilidade de assumir um posto no STF, algo que poderá se tornar real a partir de novembro, quando a aposentadoria compulsória de Celso de Mello se abrirá.

Lula

Magistrado responsável pela condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Moro também foi questionado sobre a decisão do STF de soltá-lo antes do cumprimento de toda a pena que lhe foi imposta.

Na visão do ministro da Justiça, Lula deveria ter continuado atrás das grades. “O correto era ter saído após ter cumprido a pena”, sintetizou.