Morning Call: Oásis entre os emergentes – mercados buscam novos recordes

Rodrigo Petry
Editor-chefe, com 18 anos de atuação em veículos, como Estadão/Broadcast, InfoMoney, Capital Aberto e DCI; e na área de comunicação corporativa, consultoria e setor público; e-mail: rodrigo.petry@euqueroinvestir.com.

Crédito: Crédito da imagem: Banco de Imagens EnvatoElements/By stevanovicigor

De volta após as festas de natal, o mercado segue com pista livre para alçar voos ainda maiores neste antepenúltimo pregão de 2019. Enquanto esteve fechado na terça-feira aqui no Brasil, nos EUA sobrou tempo para que o Nasdaq cravasse mais um recorde histórico.

O período de festas coincide com a melhora da percepção estrangeira sobre o país, tornando o Brasil uma espécie de Oásis entre os emergentes e uma exceção aos vizinhos da América Latina, que intensificaram problemas geopolíticos neste ano.

As perspectivas de médio e longo prazo são excelentes: Bank Of América, JP Morgan e Credit Suisse, já se manifestaram sobre a retomada econômica brasileira, colocando o Brasil como a principal aposta (entre os emergentes) para 2020 e 2021, o que deve fazer com que a bolsa brasileira, comece a receber de volta, os bilhões de dólares que escoaram neste ano marcado por tensões comerciais globais.

BDRs. Alternativas para investir no exterior diretamente da bolsa brasileira

No governo já se trabalha com a possibilidade de encerrar a gestão em 2022, com o desemprego de um dígito, destacou o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho ao site Valor.

Também durante as festas, Donald Trump confirmou que a Fase I do acordo comercial com a China, encontra-se na fase de tradução para as duas línguas e que ele e Xi Jinping devem assinar o acordo juntos em cerimônia ainda sem data marcada para acontecer.

Por aqui, após encerrar a segunda-feira com mais um recorde no intraday e no fechamento, ao bater nos 115.863 pontos, o Ibovespa tenta buscar fôlego para encerrar 2019 acima da casa dos 116 mil.

Para 2020, quatro companhias já estão com seus pedidos de registro de abertura de capital engatilhadas: A locaweb, as construtoras Moura Dubeux e Mitre, além da Companhia de Água e Saneamento do Ceará.

Entre IPO´s e Follow Ons, mais de R$ 120 bilhões devem ser injetados na bolsa brasileira em 2020.

(Com Filipe Teixeira, da Wizir)