Monitor da FGV aponta crescimento de 2,4% do PIB em julho

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Monitor do PIB, que estima mensalmente o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e é calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou avanço de 2,4%, na atividade econômica em julho, na comparação com o mês anterior.

No entanto, na comparação com o trimestre móvel finalizado em julho, a queda é de 4%. Na comparação interanual, a queda é de 6,1% no mês e de 8,9% no trimestre finalizado em julho.

“A economia segue em trajetória de crescimento. Após ter em abril o seu pior momento, devido à pandemia, é possível enxergar considerável melhora em todas as atividades”, afirma Claudio Considera, coordenador da pesquisa divulgada nesta quarta-feira (16).

Ele alerta, no entanto, que, apesar da melhora, o país segue com cenário de alta incerteza e com o nível de atividade em patamar ainda muito baixo.

Em termos monetários, o PIB em valores correntes foi de aproximadamente 4.067.827.000.

PIB Monitor

PIB: consumo das famílias

O consumo das famílias caiu 10,1% no trimestre móvel findo em julho, em comparação ao mesmo trimestre no ano anterior. Apesar de negativo, este resultado mostra tendência ascendente em relação a queda de 13,6% no 2º trimestre.

Formação bruta de capital fixo

A FBCF retraiu 7,8% no trimestre móvel findo em julho, em comparação ao mesmo trimestre de 2019. A retração mais expressiva foi a de máquinas e equipamentos (-18,1%), que explica majoritariamente a retração deste componente.

Exportação

A exportação de bens e serviços cresceu 4,9% no trimestre móvel findo em julho, em comparação com o mesmo trimestre de 2019. Os principais destaques positivos que explicam esse crescimento foram os produtos agropecuários e da extrativa mineral com crescimentos de 33,3% e 20,0%, respectivamente. Entretanto, destacam-se também as fortes retrações da exportação de bens de capital (-34,4%), dos serviços (-20,9%).

Importação

A importação retraiu 20% no trimestre móvel findo em julho, comparativamente ao mesmo trimestre de 2019. As expressivas quedas de bens intermediários (-18,5%) e dos serviços (-37,3%) explicam grande parte desta retração. O principal destaque na retração da importação dos serviços deve-se às viagens internacionais.

Apenas a importação de produtos agropecuários apresentou resultado positivo. Os demais produtos apresentaram taxas negativas, o que resultou na queda de 29,3% da importação no mês de julho.

Diferença entre o Monitor e o PIB do IBGE

Diferentemente do PIB anunciado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que apresenta o resultado do trimestre, o Monitor do PIB da FGV apresenta o resultado mensal da atividade econômica no país. A metodologia usada pela FGV é a mesma do IBGE.

Projeção da Economia para o PIB

Ontem (17), o Ministério da Economia divulgou que projeta uma queda do PIB de 4,7% em 2020, de acordo com boletim da Secretaria de Política Econômica (SPE). A previsão se manteve igual em relação ao documento anterior, de julho. E reflete os impactos da pandemia do Covid-19 sobre a economia.