Money Week: Tiago Reis, da Suno, e as 4 teses para investir bem

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Tiago Reis, fundador e CEO da Suno Research, foi um dos palestrantes da 4ª edição da Money Week, e mostrou o porquê não é somente um dos expoentes em finanças no Brasil, mas também um fenômeno em redes sociais.

Durante sua apresentação, o especialista em mercado financeiro, que tem mais de 1 milhão de seguidores no Instagram, uma legião de fãs no Twitter, e também é muito popular no YouTube, plataforma em que interage por meio de seus vídeos com mais de 300 mil inscritos em seu canal, mostrou quais são as principais teses para quem sonha em investir bem.

Para assistir a transmissão completa e acompanhar os demais painéis da Money Week, evento totalmente online e gratuito que segue até sexta-feira (28), clique aqui

O tema abordado por Tiago Reis na Money Week foi focado no futuro que, para muitos, ainda está bastante nebuloso, principalmente por conta dos efeitos devastadores da pandemia de coronavírus no País.

Em “Como Investir pelos próximos dez anos”, o CEO da Suno Research tentou esclarecer, e dar um viés positivo, para quem ainda teme tirar o dinheiro que salvou ‘debaixo do colchão’ com medo de arriscar a investir e perder o que suou para guardar. E Tiago deixou bem claro que, para começar a investir, não precisa ser um mega expert no assunto, como ele.

“O mercado de capitais nunca foi tão atrativo para um pequeno investidor quanto é hoje. Custo zero e informações acessíveis. Estamos na Era de ouro para o investidor individual. No passado era bem mais difícil. Quando comecei, em 2003, mal tinha Google. Não tinha YouTube. Tinha que pegar livros de fora e tentar adaptar para a realidade brasileira”, lembrou.

Confira a seguir as principais dicas de Tiago Reis em sua participação na Money Week e clique aqui para se inscrever no evento.

Atenção do consumidor

Antes de esmiuçar os quatro principais passos para o investidor apostar nos próximos dez anos, Tiago Reis abriu sua participação na Money Week com um conselho de espectro mais amplo, lembrando o que ele mesmo citou em sua primeira palestra, em 2019

“Quem me acompanhou lá em 2019 está se dando bem. A digitalização veio para ficar, e acredito que estamos somente no começo. A primeira coisa que uma empresa precisa é da atenção do consumidor. Você não vai a um banco, a um hospital ou a uma escola para seu filho sem antes conhecer onde está indo. O principal canal de atenção hoje é a internet”, pontuou.

Investir em FAAMG

Colocada a base de seu planejamento, Tiago Reis partiu, efetivamente, para as quatro teses, ou quatro passos, recomendáveis a todos os interessados no mercado financeiro, inscritos ou não na atual edição da Money Week.

O primeiro deles é bem direto: investir em FAAMG. E o que é FAAMG? O CEO da Suno Research explica: “São os donos da internet. Facebook, Apple, Amazon e Google. É como se fosse um feudalismo. Essas quatro empresas são as grandes avenidas da internet, e tudo passa por elas”, decretou.

“O brasileiro gasta muito tempo em rede social. As pessoas estão formando sua opinião, e não somente decisões de compra. Os donos dessas plataformas em que as pessoas gastam muito tempo vão acabar vendendo publicidade para quem quer essa atenção”, complementou.

Segundo Tiago Reis, as empresas citadas atuam de formas diferentes. Enquanto Amazon e Apple têm o foco voltado para um modelo de comissão, Google e Facebook atuam mais como as velhas mídias, vendendo espaços publicitários.

“Você sobe um aplicativo [na Apple] ou deixa um livro para vender [na Amazon’e paga uma comissão. Sei porque tenho meus livros na Amazon e deixou 25% da receita para eles. Faz parte do jogo. Eu não conseguiria vender do jeito que eles vendem. Construíram a plataforma e merecem essa receita”, exemplificou.

“O modelo do Facebook e do Google é um pouquinho diferente. Venda de espaço publicitário, mídia tradicional, não muito diferente do que Globo e Veja faziam. Você está passando lá no Instagram e, de repente, vê um comercial entre um conteúdo e outro. Se clicar ali, o anunciante paga uma comissão ao Facebook”, completou Reis.

Segunda tese: empresas em sinergia com a FAAMG

A segunda tese revelada por Tiago Reis aos espectadores da Money Week tem ligação direta com a primeira. “Compre ações ou participações em empresas que sabem operar em conjunto com essas plataformas: Facebook, Apple, Amazon ou Google. O Booking.com, empresa líder em segmento de turismo e reserva de hotéis, é um exemplo. Se digitar Hotel Paris ou Hotel Nova York no Google, geralmente está em primeiro. A primeira posição do Google é a que vale mais. O Booking soube jogar o jogo do Google. É o maior anunciante do Google”.

Tiago Reis citou nominalmente também o Tinder, aplicativo de encontros que é o mais baixado na App Store, da Apple, e bancos digitais, como BMG e Inter. “Empresas que souberem jogar o jogo de atenção da internet vão ganhar market share. A maior mudança da história de market share talvez esteja acontecendo agora. Não me surpreende o Banco Inter ou o BMG valorizando tanto. Estão ganhando market share das mais antigas, como o Bradesco”, comparou.

Terceira tese: fundos imobilíarios

A terceira tese citada por Tiago Reis diz respeito a imóveis e a Fundos Imobiliários. “É um segmento bastante cíclico e, se você compra abaixo, certamente faz um bom negócio. Hoje acredito que os shoppings estão muito baratos. O segredo é investir em imóveis bem localizados e em Fundos Imobiliários que tenham uma boa gestão por trás”, receitou.

“Acho que os imóveis no Brasil estão muito baratos e em algum momento vão ter que valorizar na bolsa para compensar essa alta aí da construção. Fundo imobiliário está bem barato e o risco/retorno compensa bastante. O importante é analisar a gestão do fundo, como faz emissões. Muitos estão só pensando em crescer o fundo e não no retorno para você. Não vou dar nome aos bois, mas fique de olho”, alertou.

Quarta tese: empresas fora do mundo digital

Pode parecer paradoxal, mas, ao mesmo tempo em que recomendou ficar de olho nas empresas voltadas para a era digital, Tiago Reis também alertou que uma boa saída para capitalizar nos próximos dez anos é justamente apostar em empresas totalmente fora dessa digitalização. Confuso? Não para o CEO da Suno Research.

“Empresas que não tem nada a ver com o mundo digital, como commodities, segmento de auto peças. O importante é buscar empresas como a Vale (VALE3), que são competitivas em termos de custos de produção, tem balanço sólido e valuation bom. É certeza de que dá para fazer um bom negócio”.

Recomendações de Tiago Reis exclusivas para a Money Week

Tiago Reis, Money Week

Depois de esmiuçar as quatro teses em que fundamentalmente um investidor precisa conhecer para se dar bem nos próximos dez anos, Tiago Reis encerrou sua participação com uma – ou melhor, algumas – dicas exclusivas para quem se inscreveu na Money Week. E indicou que um bom caminho para colocar dinheiro pode estar na Ásia.

“Na tese 1, o Facebook ainda está barato, o Google um pouco e a Apple um pouco. Eu focaria no Facebook nesse momento. Estou pensando em replicar lá para a China. Alibaba é um pouco a Amazon da China. Não é perfeita a comparação, mas China e Ocidente criaram ecossistemas paralelos, e dá para replicar”, avisou.

“Na tese 2 está difícil de encontrar essas empresas na bolsa, pois precificou muito. Talvez o BTG, a B3. Tenho procurado alternativas no mercado privado, algo em Venture Capture. O ideal é acessar empresas antes de serem listadas, como fundos de private equity. Acessar antes de ser tarde demais”.

O mais importante a guardar é: “Compre empresas que saibam jogar o jogo muito bem no seu segmento. Está acontecendo em tudo, de churrascaria a maquiagem”, concluiu.

(Por Paulo Amaral)