Money Week: trader Moises Beida fala sobre análise técnica e a tentativa de “projetar o futuro”

Fernando Augusto Lopes
null

Crédito: Reprodução / Money Week

Moises Beida é trader na Cosmos Capital. Um profissional com 31 anos de mercado com passagens em corretoras, family offices e mesas proprietárias de bancos de investimentos. Ele é especialista em análise técnica e elliott wave –  uma forma de análise técnica que os comerciantes financeiros usam para analisar os ciclos do mercado financeiro e prever tendências de mercado, identificando altos e baixos nos preços e outros fatores

A conversa altamente técnica, mas inspiradora, aconteceu no encerramento do segundo dia da Money Week, semana de entrevistas com pessoas ligadas ao mercado financeiro, organizada pela Transformação Digital e pela EuQueroInvestir!, de 25 a 29 de novembro. O conteúdo pode ser acessado inteiramente grátis neste link.

Beida começa explicando o que é análise técnica: “O básico é você ver o passado no gráfico e tentar projetar o futuro. O mais importante é ter os níveis de suporte e resistência. O suporte é onde entra a compra e a resistência é onde o mercado bate e não passa, onde entra a venda”.

Rotina e disciplina

Parece simples. Não é. Todo dia o trader tem que olhar seus gráficos, quinze minutos, uma hora, o tempo que for preciso para montar seu próprio perfil de investimento: um day trade, mais curto, ou um mais longo, semanal, por exemplo.

Na rotina, o trader precisa acompanhar o fluxo de dinheiro. Beida diz que, “no fluxo quantitativo, a Bovespa divulga quais são os players que estão comprando e vendendo. Já faz um tempo que o gringo (o investidor estrangeiro) tem uma participação muito grande na Bolsa, com uma visão mais de longo prazo. E hoje, com a queda da Selic, o fluxo vem muito grande de pessoa física e fundos”.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Há também o acompanhamento do fluxo de moedas: “Você tem o Banco Central, que é o único vendedor do mercado, que carrega uma grande posição de swap; e tem os fundos, na outra parte da balança, o gringo e os bancos. Então, com o passar do tempo, eles vão mexendo nessa posição. Vai entrando fluxo na Bolsa, o gringo vende dólar e por aí vai. É importante saber em que nível está tendo esse fluxo. Outra coisa importante é comparar como está a performance do real perante as outras moedas”.

“É preciso disciplina e ser um cara bem informado” para ser um trader, diz Beida. É preciso aproveitar a quantidade de informação disponível.

Estratégia

O passado não garante o futuro. Não dá para se basear no que já ocorreu, é preciso estratégia. Mais do que isso, é preciso análise conjuntural: “Eu olho tudo, se a empresa está devendo muito, quais as expectativas, quem são os concorrentes, como está indo a economia local”.

E é bom saber para onde está caminhando o fluxo. Beida dá o exemplo atual: “internamente, o fluxo de dinheiro está indo para consumo, para construção e para empresas locais, que não tem comprometimento com exportações. Tudo que depende do global está sofrendo – commodities, siderurgia etc. O que é bom para obter várias opções para investir”.

LEIA MAIS:

Money Week: Edson Rigonatti explica como entrar no mundo das startups e do venture capital

Money Week: gestor Henrique Bredda vê cenário econômico positivo no Brasil

Sua carteira de investimentos está preparada para aproveitar a retomada de crescimento do Brasil? Essa pode ser a oportunidade da sua vida!

Deixe seus dados abaixo e nossa equipe entrará em contato para lhe ajudar.

Ou se preferir, ligue direto para 4007-2374.